Panteão Nórdico

 


Filho de Odin e Frigga, Hermod era o irmão menos conhecido de Baldur e Hödur, aparecendo como coadjuvante no mito da morte de Baldur. Alguns autores questionam se ele era filho ou apenas auxiliar e emissário de Odin; por não ter sido incluído por Sturluson na lista dos deuses Aesir, ele poderia ter sido um herói divinizado semelhante ao celta...

Tyr era o deus nórdico da guerra. A palavra inglesa "tuesday" ("terça-feira") remete à sua encarnação anterior como o deus germânico da guerra, Tiw ou Tiwaz. Na mitologia nórdica, é eclipsado em importância por Odin, cujas valquírias (que escolhiam quem morreria em combate) entravam na batalha para conceder vitória ou derrota. Tyr era o único deus...

Pelos nove mundos se sabia já o que aconteceria. Havia três longos anos de frio que nenhuma vez Sól tinha conseguido dominar uma estação, de tanto que fugia. Máni, o deus Lua, também não conseguia mais refletir da mesma forma o seu brilho, que ficava preso durante as noites entre as pesadas nuvens geladas tecidas por Frigg e a forte...

Existem poucas referências escritas sobre Gerd, além da riqueza dos detalhes da sua união com o deus Frey. Apesar de ser filha dos gigantes Gymir e Aurboda, Gerd (ou Gerda, Gerth) é citada como deusa Asynjur, status por ela alcançado após seu casamento com um deus. Gerd era conhecida pela sua radiante beleza, pois quando caminhava deixava um rastro...

Skadi era uma giganta renomada pela sua beleza e que se tornou deusa ao se casar com um dos deuses Aesir. Ela morava no palácio Thryndheim (lar do barulho), herdado do seu pai, e era descrita como uma linda e vigorosa mulher, envolta em peles brancas, que deslizava sobre esquis e segurava um arco e flecha.

A palavra Valkyrja (plural Valkjrjur), em norueguês antigo, e sua equivalência em inglês arcaico Waelcyrge, significam "aquela que escolhe os que vão morrer". Esses termos são mencionados nos Eddas, nas sagas do século XIII e XIV, em diversos poemas, nos manuscritos anglo-saxões, em encantamentos, inscrições rúnicas, talismãs e gravações nos...

Baldur é um arquétipo intrigante do panteão nórdico, seu destino sendo entrelaçado com o de Loki, tendo poucos registros sobre um eventual culto organizado dedicado a ele. Sua importância se resume à sua morte provocada pelo Loki e à fracassada tentativa de trazê-lo de volta a vida, bem como à sua ressurreição no Ragnarök participando junto com...

Loki é a figura mais misteriosa, complexa, controvertida e de difícil compreensão do panteão nórdico. Tem características ambíguas, atuando ora como um trapaceiro, capaz de trazer mudanças, evolução e crescimento de formas inusitadas, ora como um inimigo dos deuses, provocando a morte de Baldur e conduzindo as forças do caos no combate final do...

Conhecida como uma deusa protetora dos viajantes, cujos altares foram encontrados nas ilhas do mar do Norte, próximas aos Países Baixos, Nehelennia tambem representava qualidades da Mãe Terra. Em muitas gravações sobre pedras, ela aparece segurando pães e maçãs, tendo ao seu lado um barco ou um cão com pernas longas, orelhas grandes e um focinho...

Fenrir é um lobo monstruoso. Filho de Loki com a giganta Angrboda, é irmão de Jörmungandr e Hel. Foi acorrentado pelos deuses até o Ragnarok. Quando solto, Fenrir e causa grande devastação, antes de devorar o próprio Odin, sendo morto, posteriormente, pelo filho do grande deus, Vidar, que rasgará seus peitos até o maxilar.