Zhao Yun (赵云) - Um dos Cinco Generais Tigres

03/07/2019

Zhao Yun foi um general do Reino de Shu-Han durante o período dos Três Reinos na história chinesa e é lembrado como um modelo de lealdade, justiça, benevolência, sabedoria e coragem. Apesar de suas habilidades superiores em artes marciais, elas não o destacariam neste período caótico de numerosas figuras militares proeminentes, mas sua integridade e justiça, consistentes com os ensinamentos tradicionais de Confúcio (filósofo chinês), fizeram dele um general único.

No fim da Dinastia Han Oriental, senhores da guerra estavam em constantes batalhas um contra o outro e o povo vivia atormentado pelo caos e pelos conflitos. Quando jovem, Zhao Yun buscava um mestre benevolente que fosse digno de ser seguido e foi então que ele conheceu Liu Bei, que ele julgou virtuoso e benevolente. Desde então, ele decidiu servir Liu Bei e juntou-se a sua campanha de reavivar a Dinastia Han.

Zhao Yun distinguiu-se na batalha de Changban contra as forças de Cao Cao, um dos maiores generais do período e comandante das forças de Wei no Norte. Cao Cao enviou um exército de milhares para esmagar a tropa de Liu Bei de dois mil homens e Liu Bei decidiu recuar. Mas como Liu Bei não podia suportar abandonar os civis que voluntariamente o seguiam, ele retardou suas tropas para dar cobertura à fuga da população, o que permitiu que suas forças fossem apanhadas pelas tropas de Cao Cao num lugar chamado Changban. Em meio ao caos, as esposas de Liu Bei e seu jovem filho Liu Shan foram dispersos e ficaram para trás.

Quando Zhao Yun foi visto indo sozinho para o Norte em direção as tropas de Cao Cao, suspeitas surgiram e foram relatadas a Liu Bei. No entanto, Liu Bei não se alterou, pois acreditava firmemente que Zhao Yun nunca o trairia. Como esperado, Zhao Yun foi resgatar o jovem Liu Shan e as esposas de Liu Bei. Sozinho, ele penetrou e escapou do cerco inimigo sete vezes, matando mais de 50 comandantes inimigos e retornando exausto, mas com o filho de Liu Bei seguro consigo. Testemunhando Zhao Yun atacando e recuando contra numerosos oponentes, Cao Cao ficou tão impressionado com sua lealdade e bravura que proibiu que seus arqueiros intervissem. Esta história de bravura de Zhao Yun é conhecida como "resgatando o jovem mestre em Changban".

Em outra ocasião, as forças de Shu-Han foram emboscadas pelas forças de Wei e não podiam voltar ao acampamento a tempo. Zhao Yun partiu sozinho do acampamento e resgatou o comandante daquela força. Então, ele olhou para trás e viu outro general de Shu-Han ferido e cercado pelas tropas de Wei. Ele retornou ao campo de batalha novamente com ímpeto e resgatou o general ferido. Nesse momento, o vasto exército de Wei perseguiu Zhao Yun por todo o caminho e começou a se aproximar de seu acampamento-base quando ele entrava neste. Os generais que guardavam a fortificação acharam por bem trancar todos os portões ao exército de Wei, pois as forças de Shu-Han estavam em número muito inferior. No entanto, Zhao Yun ordenou que todas as bandeiras e estandartes fossem removidos e escondidos, que os tambores fossem silenciados e as portas deixadas completamente abertas. Em seguida, ele se posicionou solitariamente diante da fortificação à espera do exército de Wei. Suspeitando uma emboscada e temendo a bravura de Zhao Yun, o exército de Wei se retirou. Então, Zhao Yun ordenou que os tambores rufassem o mais alto possível, enquanto seus arqueiros previamente ocultados disparavam flechas sobre o inimigo. Por fim, o exército de Wei sofreu uma grande derrota.

Após ocupar a província de Shu, Liu Bei queria recompensar seus guerreiros de acordo com suas façanhas militares e os estados, as propriedades e as plantações ao redor da capital seriam granjeados aos generais para se estabelecerem. Entretanto, Zhou Yun sugeriu que seria mais adequado retornar as terras para os locais que haviam sofrido por anos com as guerras e Liu Bei aceitou seu conselho. Desta forma, Liu Bei foi calorosamente acolhido pelo povo de Shu e a harmonia restaurou-se rapidamente.

Com disciplina admirável, Zhao Yun dava bons exemplos com suas próprias ações. Ele sempre considera o interesse do Estado, do exército e do povo antes de si mesmo e é lembrado na história chinesa por sua humildade, imparcialidade e altruísmo.

Fontes: epochtimes, koeifandom, wikipedia