Yatagarasu (八咫乌) - O Corvo mensageiro de três pernas

01/09/2018

Yatagarasu, o corvo de três pernas, é um mensageiro do céu, um dos símbolos mais antigos da mitologia. O pássaro com três pernas (ou seja, tripedal) é uma criatura mítica que aparece em muitas artes e lendas tradicionais, principalmente da Ásia Central e Ásia Oriental, sendo em muitas culturas frequentemente associado ao Sol. No universo yokai "sobrenatural" nipônico é considerado um pássaro guardião e símbolo de proteção, o "Corvo do Sol" no Japão.


Yatagarasu: Origem do Corvo de três pernas

Não se sabe exatamente sua origem, as fontes mais antigas a citarem o pássaro, o Nihon Shoki e o Kojiki, não mencionam a quantidade de patas, o que provavelmente foi adicionado posteriormente. Segundo a crença, as patas representam as três virtudes principais dos deuses: chi (sabedoria), jin (benevolência) e yuu (valor). De acordo com antigos monges, elas representam os três clãs antigos que dominaram a história de Kumano no antigo Japão. Outros acreditam que as três pernas do "Corvo do Sol" representam o amanhecer, o meio-dia e o anoitecer, e que apontam o céu, a terra e a humanidade.

A palavra Yata-Garasu, ainda foi traduzida como "corvo de oito pernas" (ou seja, grande corvo) ou entende-se Supremo, o Corvo Divino. O número "oito" na numerologia japonesa tem os significados de: "muitos", "perfeito" ou "supremo".


Corvo: Guardião ou símbolo de mau presságio?

Conta a lenda japonesa que, há muito tempo, um terrível monstro estava prestes a devorar o sol. Para evitar isso, os governantes do céu criaram o primeiro corvo, que voou para a boca do monstro sufocando-o.

Segundo o Xintoísmo e as antigas crônicas japonesas do Nihon-Shoki e o Kojiki, este grande corvo foi enviado do céu pela deusa Amaterasu. O pássaro seria um guia para orientar o imperador Jimmu em sua jornada inicial em território hostil na região das montanhas de Kumano a caminho de Yamato. O Imperador Jimmu, segundo o Kojiki, tem ligações com os deuses através de "Amaterasu-ōmikami" a deusa do Sol na tradição Shinto.

Chegando à seu destino, Jimmu e seu exército lutaram e foram vitoriosos. No local, o imperador estabeleceu e declarou a fundação da nação japonesa 660 anos antes da Era Comum. A partir destes relatos, o aparecimento do mítico corvo tem sido tradicionalmente interpretado como evidência da intervenção divina em assuntos humanos.

Yatagarasu é historicamente considerado o ancestral do clã Kamo, os altos sacerdotes do Kamo-wake-ikazuchi-Jinja. Acredita-se que Yatagarasu é uma encarnação de Taketsunimi-no-Mikoto, fundador do clã.

O aparecimento desta figura surgiu a centenas de anos, desde então os corvos tem aparecido na história da arte clássica japonesa. Grandes artistas o reproduziram, escritores, escultores e a maioria das impressões em xilogravura (técnica oriental de gravuras em relevo sobre madeira) foram produzidas durante a era feudal japonesa.


Yatagarasu: O pássaro mítico em Santuários

Na Terra do Sol Nascente, existem muitos santuários xintoístas dedicados à ave, considerado deus guardião de Kumano, chamados Yatagarasu-Jinja. Nesses locais, o pássaro é reverenciado em vários festivais importantes (matsuris) realizados, principalmente, na região do "solo sagrado de peregrinação" nas montanhas Kii. Os santuários de Kumano estão entre os considerados mais sagrados do Japão, um local de peregrinação antiga, com mais de mil anos de história.

A imagem do corvo, além dos santuários, ainda pode ser visto em uma série de itens de pré e pós-guerra japonês, como medalhas de honra e mérito. Devido a lenda, o pássaro mítico também foi adotado como mascote do JFA, símbolo sobre o uniforme da equipe nacional de futebol do Japão, uma garantia a mais de que o poder de direção de Yatagarasu auxilie a bola à encontrar o gol.


Fontes: Caçadores de Lendas, www.huffingtonpost.com //wikipedia.org/wiki/Three-legged_crow