Top 3 Casas de Game of Thrones

27/04/2019

Casa Stark

A Casa Stark é a que dá as primeiras direções para a história, tanto nos livros, quanto na série, e é a partir dela que começamos a ter contato com o mundo de Game of Thrones. Como em GoT não existe uma ideia exata de protagonistas, o mais próximo que se consegue chegar disso é com os Starks.

Na história, os Starks são uma das Casas mais tradicionais de toda Westeros, por muito tempo sendo considerados os Reis do Norte, ou Reis do Inverno. São os mais próximos da Muralha e, em sua história, foram os que mais tiveram contato com os Homens Livres/Selvagens e com a lenda dos Outros.

O símbolo da casa é um lobo gigante em um campo nevado e sua sede é Winterfell. A família é uma das poucas em Westeros que ainda mantém a fé dos Deuses Antigos e das Árvores-Coração, por conta de estarem muito distantes do sul e a Fé dos Sete, além de sua relação com os Primeiros Homens e os Selvagens.

E, claro, o lema da casa, quando comparado com o das outras dominantes do continente, é um dos menos pretensiosos, porque não é uma exaltação, é apenas um aviso: "Embrace yourselves. The winter is coming".

Os Starks vivem quase no extremo norte da fatia "habitada" de Westeros, muito próximos da Muralha. Inclusive, é uma das casas que mais contribui com a Patrulha da Noite, quando é dito que é sempre preciso um Stark ficar no Castelo Negro.

O lema dos Starks ser um alerta é por conta da sua maior proximidade com o Norte, assim, o Inverno chega ali primeiro. A tradição da família de "protetores" é bem ligada com a da Patrulha, quando se considera que, depois de Castelo Negro, eles são a próxima barreira no caminho do Inverno e seus terrores até as terras mais povoadas.

Uma das características principais dos Stark é a lealdade e talvez por isso seu relacionamento com as casas do Sul seja mais problemático, com todas as tramas políticas, jogos e manipulações que vão crescendo conforme você desce o mapa do continente.


Brandons

Falando sobre a história propriamente, toda a ligação com o inverno, muralha e tudo o que há por detrás dela vem direto do primeiro Stark, Brandon O Construtor.

É dito que ele, um dos "Primeiros Homens", foi um dos maiores construtores do mundo antigo e é o responsável por erguer a Muralha, com a ajuda de gigantes, além de Winterfell e indícios apontarem que Ponta Tempestade também é de sua linha.

Brandon é colocado como o responsável pela criação da Patrulha da Noite e seria o primeiro Rei do Inverno. Alguns duvidam de sua existência, que sua figura seria uma espécie de reunião de grandes feitos de vários Starks, mas nada confirmado. Se ele realmente existiu, foi cerca de 8000 anos antes da trama atual, porque seria a idade aproximada da Muralha.

Mas calma, Brandon é um nome muito comum na família Stark. Alguns dos famosos, além do Construtor, é Brandon o Construtor Naval, conhecido por seus barcos, que, um dia, desapareceu no mar do Norte. Seu filho ficou conhecido como Brandon o Incendiário, porque, depois que seu pai desapareceu, ele queimou toda a frota.

Mais recentes e importantes para a história são o Brandon Stark, irmão mais velho do Ned Stark, que foi morto pelo Rei Louco junto de seu pai, e o Bran, que também é Brandon, filho do Ned, um dos personagens principais na trama atual.


O Rei que se Ajoelhou

O último Rei do Inverno, pelo menos até Robb Stark se declarar Rei do Norte, foi Torrhen Stark, conhecido como "O Rei que se ajoelhou.

Torrhen governava na época em que os Targaryen chegaram a Westeros e foi o único dos Reis que se curvou perante os Dragões e manteve seu exército, família e agregados sem mal, sendo nomeados, assim, os Guardiões do Norte.

Esse é um dos fatos que também distancia a Casa Stark das Casas do Sul, que, em sua maioria, entraram em guerra contra Aegon e suas irmãs e tiveram exércitos queimados.


Reis do Norte

Sempre se fala dos Stark dominarem o Norte, mas, até manterem seu poder, eles subjugaram várias famílias a tornarem-se seus vassalos.

Até a época de Ned Stark, as casas aliadas eram os Karstark, Umber, Hornwood e Manderly, recentemente citados e mostrados na série; Casa Flint, Casa Mormont, de onde veio o Jorah, o Ândalo, um dos guardiões da Daenerys; Cerwyn, Glover e Reed, do Howland Reed, antigo companheiro do Ned, e seus filhos, Jojen e Meera, que acompanharam Bran na sua busca pelo Corvo; Casa Talhart e, por fim, a Casa Bolton.

Dentre esses, duas observações interessantes: Os Karstark, na verdade, são uma vertente da família Stark, por isso o nome similar. Eles vem de Karlon Stark, o filho mais novo de um dos Reis do Inverno, que ganhou terras na parte leste das região nortenha, durante uma rebelião dos Bolton, e criou o Forte Karhold. Do forte Karhold, então, vieram os Karstark.

O segundo ponto, importante para entender algumas das reviravoltas e a situação atual da história, é o caso dos Bolton. Durante muito tempo os Stark e os Bolton foram inimigos, com suas casas em guerras constantes. É dito que os Bolton, em suas tradições bizarras, gostavam de usar a pele de Starks como capa. A guerra entre Winterfell e o Forte do Pavor cessou por um tempo, mas os Bolton nunca foram extremamente fiéis aos Stark desde o começo.


Lyanna Stark

Partindo para uma história mais ligada à série, uma das personagens principais para entender toda trama por detrás da rebelião contra o Rei Louco é Lyanna Stark, irmã do Ned.

Lyanna tem um dos destinos mais enigmáticos da saga, a famosa Torre da Alegria.

Ela foi o amor da vida de Robert Baratheon e estavam prometidos em casamento. Isso até ela e Rhaegar Targaryen se encontrarem, filho do Rei Aerys, irmão do Viserys e da Daenerys.

Os dois se conhecem em um torneio e Rhaegar se apaixona por ela. Ned conta que, então, Rhaegar a sequestrou, a deixando cativa na Torre da Alegria, em Dorne. Esse foi o estopim para a Rebelião de Robert estourar, quando ele enfrenta Rhaegar e o mata, em busca de Lyanna.

Depois da queda do Rei Louco, Ned encontrou Lyanna na Torre à beira da morte e, a partir daí, é só especulação. Muitos nem acreditam que ela foi sequestrada, mas sim que fugiu com Rhaegar.

Os motivos exatos de sua morte nunca foram revelados, nem o porquê de ela estar sendo guardado por um dos maiores guerreiros do reino, Sir Arthur Dayne, o Espada da Manhã.

A teoria dos fãs é que Lyanna é mãe daquele que Ned tomou como seu filho bastardo, Jon Snow, e que Ned teria feito isso para proteger a criança da fúria do, agora, Rei Robert.


Guerra dos Tronos

Além de Lyanna, a morte do pai e do irmão de Ned foram fundamentais para a Rebelião.

Quando Lyanna foi sequestrada, o Senhor de Winterfell da época, e pai da garota, Rickard Stark, e seu filho mais velho, Brandon Stark, acabaram na Fortaleza Vermelha do Rei Aerys procurando por ela. O Rei, já enlouquecido, resolveu a situação matando Rickard, queimado-o com fogo vivo, enquanto Brandon sufocava, amarrado ao lado, tentando salvar o pai.

Com a rebelião formada, Robert e Ned derrubaram o Príncipe Rhaegar e marcharam para Porto Real, em busca de Lyanna e da derrubada do Rei. Porém, quando chegaram, a cidade já havia sofrido o saque orquestrado pela Família Lannister e o Rei estava morto.

Com Robert no poder, Ned recusou o papel de Mão do Rei, voltou para o Norte e assim começa a história que conhecemos.

Também temos o Benjen Stark, irmão mais novo de Ned, jurado à Patrulha da Noite e perdido desde o começo da história.

Sobre o irmão de Ned, Brandon era o sucessor direto de Rickard, mas morreu sufocado tentando salvar o pai. Ele também era o prometido original para Catelyn Tully, substituído por Ned após sua morte.


Extermínio dos Lobos

No fim, Game of Thrones virou uma festa de extermínio dos Lobos do Norte.

Depois de Rickard, Brandon e Lyanna mortos, Benjen se perdeu para além da Muralha e ninguém acredita muito que ele ainda esteja vivo, Ned foi decapitado, acusado de traição, e o destino de Lady Catelyn e do, já autoproclamado Rei do Norte, Robb Stark chegou no Casamento Vermelho, orquestrado pelos Lannister, os Frey e, claro, os Bolton, que tomaram Winterfell.

Se desconsiderarmos a série, Jon Snow, ainda bastardo do Ned, também está morto.

Ainda, nos livros temos uma personagem que muitos fãs gostariam de ver na série, Catelyn Stark ressuscitada, a Lady Stoneheart.

Como ela não é, nem de longe, a mesma pessoa, não dá para contar como Stark, mas é um espírito de vingança dos Lobos nos livros. Porque o Norte se lembra.



Casa Targaryen

Targaryen é um nome que os fãs de Game of Thrones conhecem há vários anos, mas cuja história começa vários séculos antes dos livros ou da série. A família Targaryen deixou um legado monumental que arrepia e maravilha o coração de quem se atrever a conhecer.

Olhamos então para os livros de história de Westeros e compartilhamos alguns dos fatos e detalhes mais fascinantes da Casa Targaryen.


Originários de Valíria

A Casa Targaryen é originária da Cidade Franca de Valíria, um império monumental que dominaria Essos, o continente oriental. Os Targaryen faziam parte das famílias mais nobres e poderosas de Valíria, também conhecidos como as Quarenta Famílias.

Embora possuíssem um estatuto social elevado, a Casa Targaryen não era um dos clãs mais importantes das Quarenta Famílias. Outras Casas disputavam a liderança de Valíria, embora não existissem oficialmente reis no império.


Traços únicos

Aqueles que são conhecidas como as características tradicionais de um Targaryen são, na verdade, traços típicos do antigo povo de Valíria. O cabelo da cor da mais brilhante prata ou do mais pálido ouro e os olhos de cor púrpura eram as principais características dos Valirianos.

Esta beleza rara não se encontrava em mais lugar nenhum do mundo e muitos apontavam como isso sendo prova do seu sangue não ser igual ao de outros homens. As velhas lendas Valirianas falavam de como este povo descendia de dragões e a afinidade com as criaturas corria no seu sangue,

Uma das explicações mais plausíveis para o visual diferente dos Valirianos era o fato de serem uma população isolada, algo que produziria características singulares. Com base na sua história familiar, os seus traços característicos eram algo que passaria de geração em geração através da prática de incesto.


Senhores de Dragões

As Quarenta Famílias de Valíria eram também chamadas de Senhores de Dragões, devido à sua mestria e domínio sobre as imponentes criaturas. A capacidade de domar um dragão foi algo aprendido penosamente pelos Valirianos que os descobriram na cadeia vulcânica conhecida como as Catorze Chamas.

Os segredos para criar e domar um dragão foram passados de pais para filhos, não existindo um registro escrito destas artes. As lendas falam de que todo este processo envolvia magia poderosa. Nunca existiu um domínio dos dragões como aquele que os Valirianos tiveram, com o seu treinamento misterioso e uma ligação profunda a estas criaturas.

A Casa Targaryen tinha o hábito de vincular um dragão a um bebê, colocando o ovo do animal no berço do mais recente membro da família. Assim, humano e dragão cresceriam juntos e criariam uma parceria formidável.

Cada dragão aceita apenas um só montador e a ele pertence até o humano morrer. Mas com a esperança de vida de um dragão sendo muito superior à de um humano, aconteceu várias vezes que a mesma criatura tivesse diferentes montadores até morrer.

Durante centenas de anos, os Targaryen criaram suas feras extraordinárias no Fosso dos Dragões em Porto Real. Mas à medida que os anos foram passando, os dragões foram nascendo cada vez mais pequenos e frágeis até que o último (antes dos de Daenerys) nasceu durante o reinado de Aegon III.


Uma visão que salvou a Casa Targaryen da destruição

Foi Daenys Targaryen, a Sonhadora, quem salvaria a família do evento cataclísmico que ficaria na história como a Perdição de Valíria. Quando ainda era uma garota, Daenys teve um sonho profético no qual viu Valíria sendo destruída por forças incontroláveis. O seu pai e chefe de família, Aenar Targaryen, acreditou nela e todo o clã abandonou a Cidade Franca, enquanto eram ridicularizados pelas outras famílias poderosas.

Aenar levou consigo a família, sua enorme fortuna, cinco dragões e os escravos para a pequena ilha de Pedra do Dragão. Doze anos depois desta decisão, Valíria conheceu o seu fim trágico e misterioso no espaço de poucas horas.

Até hoje ninguém sabe dizer o que realmente aconteceu no orgulhoso Domínio Valiriano. A maioria acredita ter sido um cataclismo natural de proporções inimagináveis, provavelmente a erupção das Catorze Chamas em simultâneo. Outros viram na Perdição de Valíria a fúria dos deuses, castigando uma sociedade promíscua na sua idolatração. Existiram ainda rumores de magos assassinados que se dizia que eram os responsáveis pelos rituais que acalmavam o fogo dos vulcões.

Nunca saberemos os motivos que roubaram a vida a Valíria e a consagraram em histórias e lendas. Mas foi por causa da visão de Daenys que os Targaryen se transformaram nos únicos Senhores de Dragões a sobreviverem à Perdição de Valíria.


O significado do brasão

Um dos símbolos mais famosos de Game of Thrones é o brasão Targaryen: um dragão vermelho de três cabeças sobre um fundo negro. É impossível não associar este clã aos dragões, mas o que realmente significa esta imagem?

O dragão de três cabeças simboliza Aegon Targaryen, O Conquistador, e suas duas irmãs, Rhaenys e Visenya Targaryen. Sob o lema "Fogo e Sangue", o trio familiar conquistou e unificou Westeros com uma determinação como nunca antes tinha sido vista no continente.

Ao escolher ter um só dragão com três cabeças, os Targaryen estavam a simbolizar a força da sua união.


Loucura Targaryen

Ao longo dos séculos que os Targaryen dominaram Westeros, existiu a ideia de que eles tinham uma certa inclinação para a loucura. Aerys II, pai de Daenerys, foi a encarnação máxima da loucura Targaryen e a maior representação dos perigos de um rei demente.

Em A Tormenta das Espadas, Sor Barristan Selmy explica a Daenerys como a sua história familiar está marcada pela loucura:

"Não sou um meistre para lhe citar história, Vossa Graça. Minha vida foram as espadas, não os livros. Mas qualquer criança sabe que os Targaryen sempre dançaram demasiado perto da loucura. Sei pai não foi o primeiro. O Rei Jaehaerys disse-me um dia que a loucura e a grandeza eram dois lados da mesma moeda. 'Sempre um novo Targaryen nasce' disse ele, 'os deuses atiram uma moeda ao ar e o mundo segura a respiração para ver de que lado cairá."

Curiosamente, esta doença pode não se manifestar nos primeiros anos de um descendente Targaryen. Veja-se o caso de Aerys II, que começou seu reinado como um líder benevolente e generoso, e terminou conhecido como o Rei Louco.

Existe a crença de que o sangue da Antiga Valíria tem poder mágico, o mesmo sangue que corre nas veias Targaryen. A instabilidade mental desta grande Casa é explicada por alguns como consequência do desaparecimento da magia no mundo e pela extinção dos dragões.

Mas a "Loucura Targaryen" pode simplesmente ser explicada como um efeito secundário do incesto praticado há séculos nessa família.


Não, os Targaryen não são imunes ao fogo

Game of Thrones demonstrou várias vezes que Daenerys Targaryen é imune ao fogo, e muitos fãs acreditam que isso é algo típico dos Targaryen. Mas o próprio George R.R. Martin já esclareceu que isso não é verdade. Em resposta a uma fã, o autor esclareceu a confusão:

"Targaryens não são imunes ao fogo! O nascimento dos dragões de Dany foi um milagre único, mágico, maravilhoso. Ela é chamada a Não Queimada porque ela entrou nas chamas e sobreviveu. Mas seu irmão certamente não foi imune àquele ouro derretido."

Nos livros, quando Daenerys sobrevive à pira funerária de Khal Drogo, ela fica careca, seu cabelo consumido pelo fogo. Embora não sejam imunes ao fogo, é um fato da saga de que os Targaryen têm uma tolerância muito mais elevada ao calor que outras pessoas.

A história do clã está repleta de casos de vários Targaryen morrendo queimados pelo fogo, das mais diferentes formas.


Os segredos da Fortaleza Vermelha

Na história de Westeros, um nome se destaca como o pior rei de todos os tempos: Maegor, O Cruel. O seu reinado foi um banho de sangue do início ao fim, e são vários os contos de terror que rodeiam esta figura. Mas uma das histórias mais interessantes é justamente sobre uma das maiores construções do reino, a Fortaleza Vermelha.

O gigantesco castelo iniciou sua construção pelo rei Aegon, sendo continuado por Aenys e finalmente terminado por Maegor. Mas quando o tirano continuou o projeto, ele decidiu acrescentar inúmeros segredos à Fortaleza, como túneis, passagens secretas e alçapões. Quando finalmente o seu grande projeto foi concluído, Maegor selou a Fortaleza com sangue.

O rei ofereceu uma festa longa de três dias para todos aqueles que estiveram envolvidos na construção do castelo. Depois da festança, cada um deles foi morto para que nunca revelassem os segredos da Fortaleza Vermelha. Maegor, o Cruel desejava ser apenas ele o conhecedor de cada mistério do castelo.


Foi uma guerra familiar que matou a maioria dos dragões

A Dança dos Dragões é considerada uma das guerras mais brutais da história de Westeros, tendo dividido a família Targaryen ao meio e deixado o reino mergulhado em caos.

Antes do rei Viserys I morrer, ele tinha declarado que Rhaenyra, sua primogênita, seria a herdeira ao Trono de Ferro. Quando o rei finalmente morreu, o seu último desejo foi desafiado pela sua viúva, Alicent Hightower, e Sor Criston Cole. Ambos conspiraram e coroaram o filho de Alicent, Aegon II, como o novo rei de Westeros.

Rhaenyra Targaryen recusou reconhecer seu meio-irmão Aegon como o novo rei, pois o Trono de Ferro era seu por direito. E assim nasceu a Dança dos Dragões, uma guerra de sucessão que viria a enfraquecer profundamente a Casa Targaryen.

Nas várias batalhas da Dança, vários dragões pereceram nas lutas que mancharam todo o reino de sangue. Nunca na história dos Targaryen, houve maior representação do seu lema "Fogo e Sangue".

Ambos os pretendentes ao trono morreram, e foi o filho de Rhaenyra quem se tornou rei e ficou conhecido como Aegon III. Dizia-se que este rei tinha medo de dragões desde que tinha visto sua mãe ser devorada viva por Sunfyre, o dragão do seu tio.

Quando Aegon III se sentou no Trono de Ferro, existiam ainda quatro dragões: Asaprata, Manhã, Ladrão de Ovelhas e Canibal. Mas foi ainda durante o seu reinado que a última criatura fantástica morreria, e Aegon III ficaria na história como a "Desgraça dos Dragões".


A importância do nome Blackfyre

Antes de Blackfyre ser sinônimo de rebelião, esse era o nome de uma das espadas de aço valiriano da família Targaryen. Foi com Blackfyre que Aegon I conquistou Westeros e a espada tinha passado de geração em geração, das mãos dos reis para os seus herdeiros legítimos.

Mas um rei desafiou a tradição: Aegon IV, o Indigno. O velho monarca deu a espada Blackfyre a um dos seus bastardos, Daemon Waters, cuja mãe era Daena Targaryen, prima do rei. Além da espada, Aegon IV deu terras e várias honrarias a Daemon, que agora assumia o nome Blackfyre.

Assim nasceria a Casa Blackfyre e os problemas estavam só agora a começar. Antes de morrer, Aegon IV legitimou todos os seus bastardos e surgiu a expressão "Grandes Bastardos" para os filhos com mulheres da nobreza. Quando o rei Indigno finalmente morreu, o seu filho legítimo Daeron ascendeu ao trono e se tornou Daeron II.

Mas muitas pessoas em todo o reino achavam que não era essa a vontade de Aegon IV. Mesmo sendo um bastardo, Daemon Blackfyre era visto como o verdadeiro sucessor do seu pai pois tinha sido dado a ela a espada de Aegon, o Conquistador.

Muitos nobres estavam ainda incomodados pelo papel do Dorne no reino de Daeron II. O novo rei era casado com Mariah Martell, e esta era uma união feliz mas mal vista por aqueles que temiam a influência dornesa. Foi no reino de Daeron II que foi finalmente selado um acordo entre o Dorne e os Targaryen, graças ao matrimônio entre o Maron Martell, príncipe dornês, e Daenerys Targaryen.

Um líder pacificador tinha conseguido unir todos os reinos de Westeros mas grande parte da nobreza não concordava com esta abordagem pacífica. Eles consideravam que os senhores de Dorne tinha ficado com direitos e privilégios que outras famílias não tinham - e o nome de Daemon Blackfyre foi novamente sussurrado como o melhor rei para Westeros.

Sor Aegor Rivers, o temível Açoamargo, era outro dos Grandes Bastardos e muito próximo de Daemon Blackfyre. Os ouvidos de Daemon foram envenenados por Açoamargo, junto com os sussurros de vários nobres que o queriam no trono.

Vários anos de tensão rebentaram finalmente com a primeira revolta de Daemon Blackfyre contra o seu irmão e rei. Essa seria a Primeira Rebelião Blackfyre, na qual os rebeldes inverteram as cores do brasão Targaryen e surgia assim o símbolo do dragão negro em um fundo vermelho. As batalhas entre os irmãos percorreram Westerosos e culminaram no Campo de Capim Vermelho. Daemon Blackfyre e seus filhos, Aegon e Aemon, morreram nesta luta final, mas Açoamargo conseguiu escapar para Tyrosh.

Seria o venenoso Aegor Rivers quem fundaria a famosa Companhia Dourada, um exército de mercenários com a missão de colocarem um Blackfyre no Trono de Ferro. Junto com Açoamargo, os filhos sobreviventes de Daemon Blackfyre se uniram à Companhia Dourada, mantendo viva a esperança da Casa bastarda.

Os Pretendentes Blackfyre continuaram a perturbar o reino Targaryen durante mais quatro gerações, até que o último descendente da linhagem masculina morreu às mãos de homens leais à coroa.


Casa Lannister

"Hear me Roar"

Seguindo as primeiras impressões que temos da saga, na série e nos livros, a família Lannister é a principal em levantar uma espécie de antagonismo frente aos Stark, porém isso se dissipa conforme a história ganha mais profundidade. É uma das famílias mais ricas, senão A mais rica e poderosas de toda Westeros, comandada, no início da trama, por Tywin Lannister, seguido de seus filhos, Jaime e Cersei. Nem precisamos colocar o Tyrion na conta. Mesmo com tanto poder, a família não entra no leque das mais tradicionais, quando, perto das casas do Norte, por exemplo, é um tanto quanto jovem.

O símbolo da casa é um leão dourado em um fundo vermelho, cores que se refletem diretamente nos membros, brancos com cabelos loiro-dourado, diferente do loiro embranquecido dos Targaryen. Seu lema é "Hear me Roar" (Ouça-me rugir), mas uma outra frase dos Lannisters é bem conhecida; "Um Lannister sempre paga suas dívidas", seja no quesito ouro, por conta da riqueza e orgulho da família, seja por sangue, depois da linhagem ser guiada pelas mãos firmes do Tywin, levando ao 


"Um Lannister sempre paga suas dívidas"

Uma das principais características da família Lannister é seu poder monetário. A família é tão rica que já emprestou MUITO dinheiro para a Coroa cobrir os rombos de Porto Real. Junto do poder financeiro, a frase "Um Lannister sempre paga suas dívidas" ganhou uma conotação bem sombria depois que a família começou a ser comandada pelo Tywin, que, ao contrário de seu pai, reconstruiu toda a honra que a casa havia perdido durante os anos, derramando muito sangue pelo caminho. Além do caso de "Rains of Castamere", com as casas Reynes e Tarbeck, Tywin foi responsável pelo grande saque de Porto Real, que pôs fim ao reinado do Rei Aerys II.


Rochedo Casterly

Falando sobre os primórdios da família, ao contrário dos Stark, que tratamos na última lista, os Lannister não são descendentes dos Primeiros Homens de Westeros, sua linhagem segue mais para os Ândalos. Ainda, como família, os Lannisters são descendentes da casa Casterly, criada por Corlos Casterly. A história de descendência também é o motivo da riqueza dos Lannister.

Corlos era um caçador que, segundo as histórias, um dia matou uma leoa em uma caverna e, depois de explorar um pouco mais, encontrou seus três filhotes. Quando decidiu poupar os leões, o caçador descobriu que a caverna, na verdade, era uma mina gigantesca de ouro. Para proteger seu minério, ele começou a morar próximo à caverna e ao rochedo e, conforme os anos se passaram, ali foi fundado o Rochedo Casterly, sede atual da Família Lannister.


Lann, o Esperto

Porém, os Lannister surgiram muito depois da descoberta do ouro no rochedo. A história conta que a casa é originada pelo lendário trapaceiro Lann, o Esperto. Existem várias versões da história, porém, todas indicam que Lann entrou no castelo da família Casterly e, através de várias artimanhas, ele conseguiu fazer com que os antigos donos abandonassem suas terras e tomou o lugar para si, dando origem aos Lannister.

É dito que Lann teve tantos herdeiros que conseguiu repovoar o Rochedo e seus descendentes ainda tiveram que expandir seu domínio, criando a cidade de Lannisporto.


O Leão que Ri

Chegando um pouco mais próximo da história principal, temos o Tytos Lannister, conhecido como "O Leão que Ri". Tytos é o pai do Tywin, avô da Cersei, Jaime e Tyrion. Ao contrário do Tywin, Tytos não era um bom líder, "desonrando" o nome da família por ser muito bondoso, deixando dívidas acumularam, evitando confronto, virando uma espécie de piada entre o povo. Nem todos os leões são amedrontadores, certo?


Canil

Uma casa que tem sua origem ligada diretamente aos Lannister é a da família Clegane. Os Clegane, do Sandor "Cão de Caça" e seu irmão, Gregor "o Montanha", ganharam suas terras e seu status por conta de Tytos. O lorde do canil de Tytos o salvou do ataque de uma leoa, sacrificando seus cachorros no processo. Tytos, então, concedeu terras ao súdito e o símbolo da família Clegane vem dos cachorros que foram mortos no resgate. O fundador da casa é avô de Sandor e Gregor Clegane.


Rains of Castamere

Depois de muito, Tywin resolveu assumir as responsabilidades de sua família, quando seu pai não conseguia mais lidera-la. É do domínio de Tywin que vem o episódio do massacre das casas Reynes e Tarbeck, vassalos dos Lannister que se rebelaram contra seu domínio. Tywin obliterou as duas famílias, deixando apenas a música "Rains of Castamere" como memória do episódio. 


Tywin Mão do Rei

Tywin, considerando todas as suas ações, foi um grande líder para a Casa e para Westeros. Ele era um dos amigos mais próximos do Rei Aerys II, tanto que se tornou sua Mão do Rei, o mais jovem a assumir o cargo na história. Tywin era tão bom em seu trabalho que, já nas épocas de loucura do Rei, muitos atribuíam todos os trabalhos da Coroa à ele, dizendo que quem realmente governava era o Lannister, não o Targaryen. Por isso, aliado a vários outros momentos, a relação entre Tywin e Aerys tornou-se extremamente complicada, levando o Leão a abandonar o cargo. Ainda, Tywin é o responsável pelo saque à Porto Real, no final da Rebelião, quando invadiu e destruiu a cidade com seu exército, culminando na queda do Rei e extermínio dos últimos Targaryen na cidade.


Tia Genna

Mas, por mais que na série pareça, Tywin não era filho único. A linhagem de Tytos seguiu com 3 filhos e uma filha. Além de Tywin, temos Kevan, atual Mão do Rei, que governou o Rochedo durante a ausência dos membros principais da família, Gerion, que desapareceu no mar, e a Tia Genna, citada pelos familiares com desprezo por conta de seu casamento com um dos filhos do Walder Frey.


A última ninhada de leões dourados

Atualmente, os três filhos do Tywin ainda estão vivos, Cersei se encaminhando para a famosa teoria dos fãs da "Rainha Louca", Jaime, na série, expulso de Porto Real, nos livros, nutrindo ódio da irmã e Tyrion, em sua busca pelos Targaryens restantes; Kevan está servindo como Mão do Rei para o último filho vivo da Cersei, Tommen, e seu próprio filho, Lancel, um dos casos mais famosos da Rainha, tornou-se um membro da Fé Militante. Por conta dos grandes empréstimos da família à Coroa, duvidasse um pouco de seu status de riqueza, além do nome da Casa ter caído "em desgraça" devido a exposição da vida da Cersei em sua purificação pela Fé dos Sete.


Fontes: Legiãodosheróis, Aficionados