Susanoo (須佐之男命) - Deus dos Mares e Tempestades

14/06/2018

Susanoo, também conhecido como Takehaya Susanoo-no-Mikoto, "Deus das Tempestades" é a divindade governante dos mares e dos ventos no Japão. A deidade é o irmão mais novo de Amaterasu, a "deusa do Sol" e de Tsukuyomi, o "deus da Lua", juntos, são considerados as "Três nobres crianças" (Mihashira-no-uzu-no-miko) que comandam o Céu na mitologia nipônica. Susanoo é conhecido por sua essência rebelde e impulsiva, tão devastadora quanto uma poderosa e catastrófica tempestade.

Segundo o Kojiki (Registros antigos do Japão), o tempestuoso deus provocava caos por onde passava. Possuía a reputação de ser um trapaceiro imprevisível e com suas inusitadas travessuras deixava sempre um rastro de destruição. Mas apesar de seu comportamento imponderado ter sido retratado em muitos dos antigos registros, a divindade também foi descrita com um lado bastante generoso, gentil e até mesmo heroico.

Ainda, de acordo com a mitológica compilação, após ser expulso da morada dos grandes deuses, Susanoo desceu para a terra de Izumo. Nestas terras, se apaixonou por Kushinada, a jovem princesa escolhida como sacrifício para Orochi, um gigantesco dragão de oito cabeças que aterrorizava os moradores locais, e com toda sua geniosa esperteza, enganou e derrotou a impetuosa criatura. Adquirindo dessa batalha, a lendária espada Kusanagi, que entregou para sua irmã Amaterasu em uma tentativa de compensar seus atos, mais tarde o item se tornaria parte dos Tesouros Imperiais do Japão.


Susanoo: Origem da Divindade

Na mitologia japonesa, Izanagi e a deusa Izanami foram encarregados pelos "Deuses Primordiais" de criarem através da "Sagrada Lança" uma série de ilhas na terra que converteriam no que hoje é o Japão. A partir de então, originaram muitos deuses, para ajudarem em sua divina tarefa. No entanto, durante o nascimento de "Kagutsuchi", o deus do fogo, Izanami teve seu corpo queimado, ferindo-a mortalmente. Izanagi desesperado decidiu cruzar as portas do Submundo com a missão de trazer sua amada de volta. Porém, a deusa de outrora, tão bela, tinha se convertido em um ser cadavérico.

Após retornar de sua frustrada tentativa de trazer Izanami do reino dos mortos, Izanagi decidiu tomar um banho para se purificar das impurezas do mundo sombrio. De suas vestes colocadas no solo, outras diversas divindades surgiram. Em seu último ato de purificação, de acordo com o Kojiki, nasceram os três deuses mais importantes do Xintoísmo: Amaterasu "Deusa do Sol" nasceu da lavagem de seu olho esquerdo, Tsukuyomi "Deus da lua" do olho direito e por último, Susanoo "Deus do Mar" surgiu de suas narinas.

Izanagi, orgulhoso com o nascimento de seus nobres filhos, dividiu seu reino entre os três irmãos e os atribuiu o comando dos céus. Para Amaterasu entregou uma joia, um colar sagrado que simbolizaria o poder divino, tornando-a deusa do Sol, responsável por iluminar o mundo; enquanto que para Tsukuyomi atribuiu a Lua, tornando-o deus da noite, encarregado de zelar pela escuridão; e à Susanoo, entregou o comando dos Oceanos.

Na versão Nihongi, no entanto, Susanoo e seus irmão nascem da união dos deuses Izanagi e Izanami.


Takamagahara: Planície dos Céus e morada de todos os deuses no Japão

Susanoo governou por um longo tempo Takamagahara (morada de todos os deuses) junto à Amaterasu e Tsukuyomi. Mas o mais novo dos três irmãos possuía um comportamento incontrolável, seu temperamento era tempestuoso, impulsivo e petulante. Assim, como uma criança num acesso de raiva reduz um brinquedo em pedaços, Susanoo podia reduzir a pó enormes rochas.

E assim, inundou plantações, destruiu exuberantes florestas, imponentes montanhas e ocasionou na trágica morte de habitantes locais na terra. Por esta razão, foi banido do céu por Izanagi.


Susanoo e Amaterasu "A deusa do Sol"

Susanoo ficou conhecido por todo reino divino como "Varão Impetuoso" e assim como grande admiração, tinha também uma longa rivalidade com sua irmã Amaterasu, que aparece em vários antigos contos nipônicos.

Um de seus contos mais conhecidos relata que, Izanagi, cansado de repetidas queixas sobre o comportamento insensato de seu herdeiro mais novo, Susanoo, causador de tempestades e caos onde quer que fosse, o baniu ao Submundo. Mesmo a contragosto, Susanoo concordou com o pai, porém, antes de seu exílio pediu permissão para ir até a "Planície do Alto Céu" despedir-se de sua querida irmã mais velha, Amaterasu. Esse pedido, aparentemente inofensivo, foi concedido e Susanoo ascendeu ao Céu. Sua partida provocou uma grande agitação no mar e as colinas e montanhas gemeram em sons trovejantes.

Tal alarido chegou aos ouvidos de Amaterasu. Percebendo que se tratava da aproximação de Susanoo, sabia que seu irmão imprevisível não tinha boas intenções em mente, e se preparou para o confronto.

Susanoo inacreditavelmente adotou a postura de um penitente... "Meu coração não é tão negro como pensam", disse ele. "Mas, em obediência ao nosso pai, estou prestes a partir para sempre ao Mundo Inferior. Como eu poderia suportar partir sem antes ver a minha irmã mais velha? Foi por isso que atravessei nuvens e névoas, e vim para cá, de tão longe. Estou surpreso que minha irmã tenha adotado essa postura tão severa", concluiu Susanoo em um tom inesperado.

Amaterasu considerou essas observações com muita suspeita. A piedade filial de Susanoo e a sua crueldade não era tão simples de serem reconciliadas. Susanoo então propôs um desafio para provar sua sinceridade: Um desafio foi definido a respeito de quem poderia trazer à luz os filhos divinos mais nobres; cada um dos deuses pegou um objeto do outro e dele fez surgir deuses e deusas. Amaterasu fez três mulheres da espada de Susanoo, enquanto Susanoo fez cinco homens a partir do colar de Amaterasu. A deusa do Sol reivindicou o título para os cinco homens feitos de seus pertences, portanto, as três mulheres foram atribuídos a Susanoo. Ambos os deuses se declararam vitoriosos, o teste provou a pureza do coração e a sinceridade de Susanoo em relação à sua irmã. Mas o seu bom comportamento não durou por muito tempo.

Amaterasu tinha no Céu um grande número de campos de arroz, dos quais muito se orgulhava, juntamente com sua manada de potros malhados. Na primavera, a deusa havia plantado as sementes em seu estimado campo. Susanoo quebrou as divisões entre os lotes e, no outono, soltou em sua plantação uma enorme quantidade dos preciosos potros malhados da irmã, destruindo boa parte dos arrozais.

Ainda descontente, certo dia, viu sua irmã no sagrado Salão de Tecelagem, juntamente com suas criadas tecendo as vestimentas dos deuses. Inconformado com tamanha paz e harmonia, não se conteve, arremessou um cavalo celestial morto sobre os teares das criadas tecelãs. Assustadas, elas se atropelaram, e uma delas morreu, perfurada por sua própria lançadeira enquanto as outras se feriram gravemente. A deusa do Sol não apreciou a cruel brincadeira e ficou extremamente zangada. Susanoo foi imediatamente exilado do céu. Carregando consigo apenas sua longa espada e o arrependimento por suas ações.


Yamata no Orochi: A Lenda do Dragão de oito cabeças

Ao descer para a terra, Susanoo foi para a região de Izumo. Em seu caminho, encontrou um casal de idosos chorando muito, que contou-lhe a triste história de suas filhas. Orochi, um gigantesco e poderoso Dragão de oito cabeças, amaldiçoou Izumo com a sua presença, e ordenou que fosse feito o sacrifício de oito donzelas, a cada lua cheia, para satisfazer a sua fome. Se falhassem em cumprir o sacrifício, Orochi ameaçava destruir toda a terra. Os anos passaram, enquanto as donzelas sumiam dos campos; até que só restou a princesa Kushinada a ser sacrificada para que o povo de Izumo fosse poupado.

Ao ver a bela e encantadora Princesa Kushinada aos prantos, Susanoo prometeu então ao seu velho pai que daria um fim a serpente Orochi, com a condição de que pudesse tomar a mão da princesa em casamento. Ao ter seu pedido concedido, Susanoo transforma Kushinada em um pente, a escondendo em segurança no próprio cabelo. O deus estava disposto a compensar seus erros, usando todo o seu poder destrutivo contra o mal e salvando inocentes.

Na noite do sacrifício da donzela, foram oferecidas a Orochi oito jarras de sakê. O servo que as trouxe disse que ele deveria entreter-se com o álcool primeiro e então aproveitar a sua tão esperada refeição. A grande serpente-dragão concordou, e mergulhou as oito cabeças nas tentadoras jarras. Não demorou muito até que se ouvisse a fera roncando em sua bebedeira.

Foi então que o servo mostrou sua verdadeira identidade: Susanoo "O Deus do Trovão". Com sua espada, ele cortou cada cabeça do Orochi. De seu ventre caiu o orbe da vida, debaixo das escamas da calda do dragão, encontrou a espada sagrada, Kusanagi Tsurugi.

Susanoo, em seguida, ofereceu a espada Kusanagi como presente à sua irmã Amaterasu (A Deusa do Sol), com o propósito de ser perdoado por seus atos de maldade. Posteriormente, Amaterasu entregaria para seu herdeiro, Ninigi no Mikoto, o lendário fundador da linhagem Imperial japonesa.


Suseri-hime: A filha de Susanoo

De acordo com Kojiki, Okuninushi ("Grande mestre da terra"), um jovem deus de coração bondoso, acompanhou seus oitenta cobiçosos irmãos a caminho de conquistar a formosa princesa Yakami da Província de Inaba. Forçado a carregar todas as pesadas bagagens nas costas e sofrer diariamente os abusos e maus tratos de seus irmãos.

Okuninushi, em seu caminho encontrou uma Lebre branca se contorcendo de dor. Depois de ouvir toda sua triste história, o aconselhou devidamente como tratar as feridas. Após se curar rapidamente, a lebre recuperou seu estado original, revelando sua verdadeira forma, uma divindade. E, em agradecimento, profetizou que por carregar pesado fardo em suas costas, ser tratado de tal forma e, mesmo assim, manter-se puro de coração, Okuninushi conquistaria a mão da bela Princesa Yakami e tudo o mais que lhe era merecedor.

E como a divinal Lebre afirmou, a Princesa não escolheu nenhum dos oitenta irmãos cruéis, e sim o octogésimo primeiro, por sua honra e benevolência. Mas, os irmãos enfurecidos não aceitaram tal decisão e decidiram o punir. Para escapar da morte, Okuninushi acabou nas terras de Susanoo em busca de auxílio e proteção.

Chegando no submundo, onde reinava Susanoo após ser banido dos Céus, Okuninushi conheceu a belíssima Princesa Suseri, filha adorada do temeroso deus. Os dois se tornaram inseparáveis e em pouco tempo se apaixonaram. O jovem casal decidiu firmar o compromisso, oficializando sua união. Mas Susanoo desaprovou esse romance, alegando que Okuninushi não era digno de Suseri.

Em resposta à persistência de sua estimada filha, fingindo benevolência, impôs três testes ao jovem: Primeiramente, Okuninushi deveria passar a noite isolado em uma sala repleta de serpentes venenosas. Antes de partir para seus aposentos, Suseri se despediu de seu amado e lhe entregou em segredo um lenço encantado, que o protegeria de qualquer perigo. O presente da princesa proporcionou-lhe uma noite tranquila sem nenhuma ameaça.

Na noite seguinte, foi determinado que dormisse em uma sala cheia de abelhas e lacraias, mas novamente, foi salvo por sua amada, presenteado com um cachecol mágico que afastava todo e qualquer risco.

Como último teste, Susanoo tensionou seu imenso arco e atirou uma flecha no meio de um extenso campo de trigo ordenando ao jovem que a trouxesse de volta. Okuninushi procurou por muito tempo e, com bastante persistência, finalmente a encontrou. Neste momento, Susanoo começou atear fogo no campo e chamas rapidamente cercaram o jovem. Então, um misterioso rato apresentou-se e mostrou à Okuninushi um buraco em que poderia se proteger. Após as chamas se acalmarem, Okuninushi retornou triunfante com a flecha em mãos. Mas, mesmo após passar pelos testes, Susanoo ainda não aprovava o casamento.

Okuninushi, cansado das imposições de Susanoo, se preparou para fugir com a princesa durante a noite. Esperou pacientemente até que o deus adormecesse e amarrou o longo cabelo de Susanoo nas colunas que sustentavam o castelo do reino. Ōkuninushi fugiu com a princesa, levando consigo a estimada espada de Susanoo, seu arco, flechas e sua preciosa harpa.

A harpa ao bater em uma árvore soltou um estrondoso som fazendo com que o chão tremesse, despertando o deus de seu sono profundo. Os dois aproveitaram para escapar, rapidamente, enquanto o deus libertava seus cabelos. Após se soltar, Susanoo os perseguiu por todo o caminho até a divisa entre o submundo e o mundo terreno. Chegando lá, avistou o casal já distante.

Impressionado pela astúcia de Okuninushi, reconheceu sua bravura e gritou: "Use minha espada e meu arco para derrotar seus irmãos enlouquecidos e conquistar seu lugar! Então construa um grandioso palácio para você e minha filha que chegue até os céus e reinem sobre Izumo!"

Dessa forma, Okuninushi conseguiu expulsar seus irmãos e tornou-se governante da província de Izumo. O deus governou estas terras durante muitos anos até passar o controle para Ninigi, neto de Amaterasu. Em troca disso, um grande santuário, Izumo Taisha, foi construído em sua homenagem. Considerado um dos mais antigos e importantes santuários do Japão.

Shimekazari: Origens da tradição

Contam que certo dia, Susanoo conheceu um velho homem que queria desesperadamente proteger sua casa da peste. O kami (deus), em compaixão, untou uma corda de palha trançada de arroz e disse-lhe para colocar na entrada de sua habitação para resguardá-la da praga. A lenda se tornou uma tradição, e ainda encontramos cordas de palha tecida na entrada de santuários xintoístas e ao longo das estradas e caminhos de montanha para impedir a propagação de epidemias.


Susanoo em animes e games:

Wanpaku Ōji no Orochi Taiji (Príncipe Susanoo e o Dragão de 8 Cabeças): O filme em animação conta a estória do deus Susanoo (representado por um príncipe ainda garoto), cuja mãe Izanami acabara de falecer. O jovem, profundamente ferido pela recente perda e apesar das advertências de seu pai Izanagi, resolve partir em busca pela mãe. Junto de seus companheiros, Akahana (um pequeno coelho falante) e Titan Bō (um gigante vindo da Terra do Fogo). Susanoo supera todos os obstáculos em sua longa jornada e acaba chegando na Província de Izumo, onde encontra a princesa Kushinada, uma pequena garota que se torna sua amiga. A família de Kushinada diz a Susanoo que outras sete filhas deles foram sacrificadas para a assustadora serpente de oito cabeças, Yamata no Orochi. Susanoo está tão apaixonado por Kushinada que decide ajudar sua família à protege-la e matar Orochi de uma vez por todas e se prepara para o confronto.

• No enredo do mangá/anime Naruto, Susanoo é uma das três técnicas especiais utilizadas pelos membros do clã Uchiha que despertaram o Mangekyō Sharingan. O Susanoo consiste em uma gigantesca e poderosa armadura feita de chakra que envolve o seu usuário protegendo-o de qualquer ataque externo, no entanto compromete sua saúde, causando fortes dores por todo o corpo.

Kamigami no Asobi: A história gira em torno de uma jovem estudante, Kusanagi Yui, que encontra uma espada mágica que a leva para dentro de uma escola em uma dimensão diferente. Onde descobre que foi convocada por Zeus com o objetivo de ensinar aos jovens deuses, que estavam perdendo seus vínculos com os humanos, sobre o verdadeiro significado do amor. Takeru Totsuka, colega de sala de Yui, é o deus japonês do mar e das tempestades, um jovem de pavio curto e bastante ousado.

• Em Yu-Gi-Oh, Susanoo é uma carta chamada de "Bunjintei Susanowo" do tipo xyz da série de arquétipo "bujin" (todas as cartas "bujin" são referentes ao folclore japonês, existindo também "Bujinki Amateratsu" e "Bujintei Tsukuyomi").

• Na segunda expansão (Stormblood) do jogo Final Fantasy XIV, com diversas áreas inspiradas no Japão antigo, o deus Susano é invocado.

• Em Smite, os jogadores controlam um(a) deus(a) ou outra figura mitológica e participam de combates em equipe, usando habilidades e táticas contra outros deuses controlados por jogadores ou por bots. Susanoo é um dos deuses do panteão japonês.




Fontes : Caçadores de lendas, Myths and Legends of anciant Japan