Scâthach - A Deusa da Soberania

06/07/2018

Seu nome significa "Sombra" e representa aquela que combate o medo ou quem semeia o medo. Scathach é uma Deusa guerreira e profetisa que viveu na Escócia, ensinando as artes de batalha para os guerreiros que tinham coragem suficiente para treinar com ela, uma vez que ela era considerada dura e impiedosa e foi considerada a maior guerreira de todos os tempos. Foi ela quem treinou CuChulainn (um dos maiores guerreiros da Irlanda). Filha do rei da Scythia, irmã de Aife e mãe de duas crianças: Cet e Cuar.

Uma lendária guerreira escocesa. Reconhecida pelos seus ensinamentos ao grande herói Cuchulainn.

Ela está sempre presente nos campos de batalha atrás das almas dos mortos para encaminhá-los para Imrama Anam (Jornada da Alma) ou para Tir Nan Og (Terra da Eterna Juventude).
Considerada a Deusa dos ferreiros, da profecia, da cura, da magia e das artes da luta. 

Os guerreiros que ela concedia treinamento passavam por três etapas no treinamento:
- Armamento: onde conheciam e aprendiam a manusear todas as armas disponíveis, tanto as feitas pelo homem, como aquelas que poderiam ser extraídas da Natureza, durante um combate.
- Cognominação: onde o guerreiro adotava um novo nome, o nome que levaria para o resto da vida e o nome que lhe traria a glória da batalha.
- Iniciação Sexual: como o próprio nome já diz, o guerreiro iniciava as suas relações sexuais.

Seguindo essas três etapas, quando o guerreiro voltasse à Irlanda, ele seria invencível. No entanto, seu treinamento era considerado um dos mais terríveis da Irlanda, tanto que para que Scathach aceitasse treinar um rapaz, ela o submetia a travessia de uma ponte instável de onde objetos mortais eram arremessados pelas laterais da ponte, derrubando os imprestáveis na correnteza fatal do rio (foi daí que criaram a gincana da Ponte do Rio Que Cai).

"Perder o medo é se atirar no escuro, enfrentando o desconhecido."

Ela também era conhecida como a Deusa Gaelic of the Dead e foi dito que ela iria até o campo de batalha para orientar os guerreiros mortos no caminho de Tir Nan Og. Ela foi tão bem respeitada pelos Tuatha De Danann (grupo de deuses ou semi-deuses) que eles lhe deram a imortalidade. Outra de suas funções era mandar pessoas que viviam uma vida indigna para um poço de desespero.

Foi dito aos homens que para ganhar seu respeito e ser capaz de ser digno de seu ensinamento, teriam que passar no teste certo. Escalar as montanhas ocidentais, passar no covil de um dragão, caminhar sobre a navalha afiada das rochas e passar na ponte de saltos. 


Scâthach e Cuchulainn


No Ciclo de Ulster, ela é uma expert temível nas artes da guerra. É a ela que Cuchulainn, o maior dos guerreiros celtas, vem em sua juventude para aprender seu ofício. Este ensinamento ocorreu em Alba. Foi a partir Scathach que Cuchulainn recebeu o 'Game Bolg',  sua lança, cujo impulso era fatal.

Scâthach ensinou a Cuchulainn as técnicas de guerreiro e também os mistérios do sexo. De acordo com a lenda, ela ofereceu-lhe "a amizade das coxas". Toda a guerreira celta era conhecida como uma furiosa amante erótica, mesmo podendo ser uma temível inimiga.

Cuchulainn foi treinado por Scâthach durante um ano e um dia.

Scâthach também foi uma bruxa poderosa. Lore diz que ela tinha o dom da profecia, e ela predisse o destino de Cuchulainn durante sua batalha contra a Rainha Medb.


Curiosidades

A mulher da Velha Irlanda, único lugar que nunca foi visitado pelas legiões romanas, manteve sua independência até o século XII e uns três séculos mais, estava ainda, quase em plano de igualdade com o homem. Ela não foi derrotada em luta pelos romanos, mas sim pelo cristianismo. Podemos dizer que, a mulher celta foi a grande precursora do feminismo moderno.

Muito embora a mulher celta fosse uma guerreira, ela se preocupava com a aparência. Trançava os cabelos, usava muitos adornos e até pequenos sinos em suas roupas para atrair a atenção dos homens. Forte, mas feminina, pois sabia que era a única do gênero humano que podia dar vida. Sem descendência, não haveria família, nem clã, nem tribo. Se não houvesse sucessores, sua tribo se tornaria menos numerosa, possuindo menos recursos, menos mãos para o cultivo e para guerra.




Fontes: 3 Fases da Lua, Cantinho dos Deuses, Celtic Mythology