Morgan Le Fay - A Fada da Manhã

26/05/2021

Na Lenda arturiana

No mito celta, Morgan (ou Morcant) é masculino. A versão feminina é conhecida como Morgain (ou Morgue ou Morgne). Morrigan apresenta semelhanças com Morrigu da mitologia irlandesa. Na tradição celta, a Morrigan, uma deusa tríplice do mito celta, era considerada a deusa da morte. Isso sugere que muitos mitos foram combinados para nos dar a tradição de Morgan Le Fay que agora reconhecemos, combinando superstições sobre a água, as fadas e uma mitologia da manhã / noite.

"'Le Fay' é uma palavra antiga para uma fada e até hoje, aparentemente, o nome bretão para uma ninfa aquática é 'Morgan'.

As possíveis raízes da personagem arturiana Morgan Le Fay, portanto, estão profundamente enraizadas na mitologia britânica inicial e podem ser rastreadas ao longo de várias centenas de anos até seu ato final como uma das três mulheres que transportaram o rei Arthur mortalmente ferido em uma barcaça para a Ilha de Avalon para ser curado. "

Senhora do lago

A Dama do Lago era a mãe adotiva de Sir Lancelot e o criou sob as águas turvas de seu Lago. Ela é, no entanto, mais conhecida por sua apresentação ao Rei Arthur de sua espada mágica Excalibur, por meio da intervenção do conselheiro druida do rei, Merlin (Myrddin), que estava constantemente preocupado com a queda de seu monarca em batalha.

Merlin conheceu Morgan na Fonte de Barenton (Bretanha) e se apaixonou tão profundamente por ela que concordou em ensinar-lhe todos os seus poderes místicos. Morgan se tornou a amante e também escriba de Merlin, que registrou suas profecias. Infelizmente, no entanto, ao longo dos anos, Morgan se tornou tão poderosa que suas habilidades mágicas ofuscaram até mesmo as de Merlin e ela o aprisionou na Torre de Vidro. Até certo ponto, ela assumiu o papel de Merlin ao lado do Rei Arthur, mas a remoção do velho contribuiu consideravelmente para a queda do grande monarca. Quando Arthur foi mortalmente ferido na Batalha de Camlann e Excalibur foi lançada de volta às águas enevoadas, Morgan foi obrigada a recuperar sua espada. Ela foi mais tarde uma das três rainhas que escoltaram o rei para Avalon.

Sociedade Celta

A Sociedade Celta idolatravam muito as divindades da água. Eles acreditavam que essas divindades manipulavam a própria essência da vida. O fluxo das nascentes e o acúmulo de água nos rios e lagos demonstraram os fenômenos naturais das deusas que viviam na água. As oferendas aos lagos e rios tornaram-se habituais. Considere nossos modernos poços de desejos - a tradição ainda ocorre hoje. O costume de homenagear a Dama do Lago agora se reflete quando invocamos a "Senhora da Sorte"!

"Seus nomes revelam claramente que esta Senhora era a Deusa Céltica da Água Coventina (presumivelmente identificada pelos Romanos com sua Mnemósina). Esta senhora era adorada em todo o Império Romano Ocidental, na Grã-Bretanha, na área de Narbonne da Gália e também no noroeste da Península Ibérica. Ela é mais famosa por seu santuário em Brocolitia (Carrawburgh) na Muralha de Adriano. Aqui, um templo quadrangular circundava uma piscina central alimentada por uma fonte sagrada. As oferendas de moedas, joias e pequenas estatuetas de bronze foram escavadas, bem como vários altares dedicados pelos soldados locais.

Hoje, a lenda da Senhora do Lago foi substituída pela aluna e amante de Merlin, Morgan Le Fay. Este nome também significa "ninfa da água" em bretão. Como uma bruxa, Morgan parece multidimensional, exibindo características benéficas e perigosas. Lore também sugere que as três rainhas que escoltam Arthur até Avalon talvez sejam de fato Morgan. Esta terceira pessoa também pode ser considerada o tema bem conhecido de uma deusa tríplice celta


Enciclopédia de Ocultismo e Parapsicologia: Morgan le Fay

"Irmã do Rei Arthur e esposa do Rei Urien de Gore. Arthur cedeu para ela ficar com a bainha de sua espada Excalibur, mas ela a deu a Sir Accolon, a quem ela amava e mandou fazer uma bainha forjada. Arthur, no entanto, recuperou a bainha real, mas foi novamente enganado por ela. "

A reputação de Morgan le Fay coincide com as lendas das divindades celtas Morrigan, Macha e Modron (uma mãe divina). Ela foi notoriamente referida como "Rainha da Terra das Fadas". Românticos franceses e italianos também fazem referência a uma divindade semelhante. Morgan apareceu pela primeira vez em texto com as lendas arturianas, o volume do século XII de Geiffrey de Manmouth, Vita Merlini. Morgan supostamente lançou Excalibur em um lago. Ela também deveria conceder bugigangas e tesouros a seus favoritos e associados.  Fonte: Lacy, J. Lacy, ed. The Arturian Encyclopedia. Nova York: Garland Publishing, 1986.

Wikipedia

Fada Morgana, sendo conhecida na Grã-Bretanha como Morgana a Fada (Morgan Le Fay), Lineanne, dentre outros nomes, aparece nas histórias do Rei Artur. O nome Morgaine tem origem celta e quer dizer mulher que veio do mar. Pode-se escrever Morgaine ou Morgan. Morgaine também é muito conhecida na Itália por um fenômeno chamado Fata Morgana, traduzindo Fada Morgana. As lendas baseadas nos contos do Rei Arthur acreditam que Morgana foi uma sacerdotisa da Ilha de Avalon, na Bretanha, meia-irmã de Arthur. É filha de Igraine, e Gorlois, Duque da Cornualha.

Em uma outra versão é dito que Morgana queria usurpar o trono de Artur e se tornar a nova rainha de Camelot e seu filho Mordred como seu sucessor, através de uma conspiração liderada por ela, para conseguir o trono.

Morgana é treinada por sua tia Viviane na Ilha de Avalon para se tornar a Senhora do Lago ou como também é chamada Dama do Lago ou Senhora de Avalon. Morgana teve um filho de Arthur depois de um ritual sagrado (Beltane). Essa criança se chamava Gwydion, que após ir para a corte de Arthur toma o nome de Mordred. Mais tarde este seria um dos inimigos de Arthur. Mordred e Arthur matam um ao outro em um duelo pelo direito de ser o Grande Rei.

Morgana leva Arthur para Avalon, porém, ele morre ao avistar as praias da ilha sagrada. A lendária espada Excalibur é jogada no lago (em algumas histórias, o Rei Arthur, ferido em combate, é levado para a Dama do Lago a uma Avalon mística do além, paralela a real, onde Artur permanece retirado do mundo e para sempre imortal.

Depois a Ilha de Avalon se desliga quase por completo do mundo. E a Bretanha cai numa era negra nas mãos dos saxões.

Outras lendas dizem que Morgana era parceira de Merlin, mas então virou maligna. Outras dizem que ela pode ter sido aprendiz e/ou namorada de Merlin, mas ele a não quis mais, tornando a maligna sem querer.

Fontes: Gardenofthewitch