Mithras - O Deus da Guerra Romano

13/08/2019

Mitra era o deus da luz, do Sol e da guerra dos persas antigos, foi adotado pelos romanos como Mithras, e tornou-se foco de um culto exclusivamente masculino de Mistérios, com promessa de vida após a morte, cujos principais adeptos eram os soldados romanos. Ele era adorado em templos subterrâneos, os Mithraea. Como os iniciados juravam segredo, sabemos apenas que Mitras matou um touro em um ató simbólico de morte e renovação.

A relação do Mitra persa com o Mithras romano é controversa. Mitra, como kosmokrator ('senhor do cosmo'), era popular entre os soldados romanos, que propagaram o seu culto, o mitraísmo.

Nos templos subterrâneos (parecidos com cavernas) chamados mitreos (mithraea), encontrados por todo o Império Romano nos lugares por onde passavam as legiões, os adoradores sacrificavam touros a Mithras. O nome alternativo do deus, Sol Invictus, era a expressão atribuída ao deus-sol sírio, Elagábalo.

O mitraísmo era uma religião de Mistérios, cujos iniciados juravam manter os segredos que lhes eram revelados, cumpridos os sete graus de iniciação - Corvo, Esposo, Soldado, leão, Persa, Corredor do Sol e Pai. Cada grau tinha sua própria divindade protetora e trajes especiais. Um Corvo (Corax) usava uma máscarade corvo e tinha a proteção do deus Mercúrio. O mitraísmo fez uso intenso da astrologia, e seus deuses protetores estão associados aos planetas. Em todos os templos a cena de sacrifício do touro era uma representação codificada do céu noturno quando a constelação de Touro era visível no oeste pela última vez antes do equinócio da primavera.

Fontes: wikipedia, templodeapolo