Karu-Sakaibê - O primeiro homem

10/08/2018

(Mito Munduruku) 


Dizem os sul-americanos, que o primeiro de todos os homens foi Karu-Sakaibê, dono de grande poder e bondade. Quando ele andou pela Terra, fez muitas coisas belas. Tinha um companheiro constante, seu filho Rairu, que não era tão corajoso e poderoso quanto o pai, gostava mais de se divertir. Um dia, Karu-Sakaibê enterrou no chão algumas penas e foi soprando sobre elas: algumas se transformaram em rochas, outras em morros e em enormes montanhas. Criou também os rios para correr na Terra, as aves para voar no céu, os peixes para nadar nos rios. Enquanto o pai criava, Rairu brincava; com pedaços de madeira, cipós e folhas, fez no chão o desenho de um tatu.

Achou o desenho tão bom que passou resina feita de cera de abelhas nas folhas e nos galhos, querendo preservar sua criação. Mas quando a resina secou, a mão de Rairu ficou presa no rabo do tatu! O tatu começou a ter vida e se pôs a cavar um buraco, e como Rairu não conseguia se soltar, teve de segui-lo para dentro da terra." O tatu cavou tanto que foi parar num mundo debaixo do solo, e só lá Rairu conseguiu soltar sua mão e se livrar dele. O que viu lá embaixo o deixou assombrado! Havia homens e mulheres de todos os tipos, vivendo naquele mundo, e ele passou muito tempo andando por ali e observando toda aquela gente.

Karu-Sakaibê ficou preocupado com o desaparecimento de Rairu; como não encontrava o filho em lugar nenhum, achou que ele estava perdido para sempre e resolveu criar um outro filho. Para isso, ele tomou um tronco de madeira e o esculpiu, formando um rapaz; quando a escultura estava pronta, a madeira adquiriu vida e se tornou um ser humano. Mas, a essa altura, Rairu finalmente conseguiu voltar para cima, escalando o buraco do tatu até sair de novo na superfície.

Foi procurar o pai. Quando viu que Karu-Sakaibê ficara muito zangado com seu sumiço, e percebeu que seria castigado, disse-lhe:

- Não me castigue! Descobri que existe gente no mundo debaixo do solo. Eles são muito bonitos, poderiam vir aqui para fora e trabalhar a terra.

E contou tudo o que vira depois de entrar pelo buraco do tatu.

Karu-Sakaibê resolveu, então, trazer para cima todas aquelas pessoas, que estavam vivas, mas não tinham casas para morar nem terra para cultivar.

Quanto ao filho que fizera de madeira, agora que Rairu voltara já não precisava mais dele: deixou que se transformasse numa anta e que fosse viver na mata.

Não seria, porém, muito fácil trazer os humanos de lá do fundo.

Para começar esse grande trabalho, Karu plantou uma semente e aguardou, enquanto ela, imediatamente, se transformava num belo pé de algodão; o criado colheu o algodão e teceu suas fibras, formando uma corda bem forte. Amarrou a corda na cintura do filho e foi com ele até a boca do buraco cavado pelo tatu.

- Você vai voltar lá e convidar aquela gente para subir ao nosso mundo.

Rairu obedeceu. Foi descendo pela corda e, ao ver-se de novo no subterrâneo, tratou de ir chamando as pessoas e explicando como o mundo da superfície era belo e agradável. Nem todos acreditaram nele, mas algumas pessoas resolveram aceitar o convite e segui-lo para cima. Homens e mulheres, então, começaram a escalar a corda e a sair pelo buraco do tatu. Karu-Sakaibê viu que os primeiros a aparecer eram muito feios e sem jeito. Só depois de algum tempo começaram a aparecer pessoas mais bonitas. Uma multidão de gente veio para o nosso mundo; o problema foi que, com todo aquele peso, a corda de algodão se desgastou e, de repente, arrebentou! Por causa disso, os homens e mulheres mais bonitos ficaram no fundo da terra, e é por esse motivo que a beleza é muito rara, até hoje.

Quando se viu diante de tanta gente, Karu-Sakaibê começou a separá-los em tribos, e a explicar onde deveriam viver. Enquanto ele falava, algumas pessoas nem se importavam em ouvir suas instruções; o criador, então, ficou zangado e os transformou em porcos-do-mato. Outros eram muito preguiçosos e não queriam aprender a trabalhar como ele dizia; acabaram pegando no sono, e ele os transformou em morcegos e borboletas. Por fim, quando já havia dividido toda aquela gente em povos distintos, sobraram algumas criaturas tão feias, mas tão feias, que ele resolveu que não seriam humanos. Com o dedo, Karu lhes traçou uma linha vermelha no nariz, e na mesma hora eles se transformaram em mutuns de bico vermelho - e essas aves, até hoje, soltam pios muito tristes e voam pelas matas lastimando a sua transformação.

Um dos povos criados naquela ocasião foi a nação Munduruku; eles foram levados pelo criador para o território do alto Rio Tapajós.

Karu-Sakaibê ensinou a eles as formas de caçar; depois preparou um campo e semeou ali plantas variadas. Após cair a primeira chuva, todos viram nascer a mandioca, o cará, o milho, o algodão, a batata e todas as coisas boas para comer e fazer remédios. Também fez em cada um deles as primeiras tatuagens, que são iguais às que ele mesmo tinha.

Porém os Munduruku, divididos em dois clãs, viviam brigando e guerreando. Karu-Sakaibê voltou para junto deles e mandou que se unissem em um só povo.

Disse a eles:

- Parem com a guerra. Todos serão irmãos, todos serão alegres.

Desde então, os homens fazem como ele lhes ensinou. E somente quando houve paz e os Munduruku se tornaram uma grande nação, foi que Karu os deixou, prometendo que seus descendentes seriam todos corajosos e fortes.

Dizem alguns que ele foi morar debaixo da terra; mas muitos acreditam que Karu-Sakaibê foi para os céus, e é lá que ele recebe os mortos quando deixam o mundo. 


Povo Munduruku

Esse povo recebeu dos Parintintins o nome de Munduruku ou Mundurucu, que significa "formigas vermelhas"; mas o nome pelo qual se autodenominam é Wuyjugu. Sua língua pertence ao tronco Tupi.

É um povo tradicionalmente guerreiro, originário de áreas próximas ao Rio Tapajós, na Amazônia. Hoje vivem nos estados do Pará, Amazonas e Mato Grosso. Por muito tempo, os Munduruku combateram os portugueses e sempre defenderam suas terras dos invasores, desde os seringueiros, nos tempos do Ciclo da Borracha, até os garimpeiros, em tempos mais recentes.

Infelizmente, ao que parece, o povo Munduruku e seus territórios continuam sendo ameaçados, agora por projetos de construções de estradas e de hidrelétricas. 

Fontes: Templo de Apolo, RIOS,Rosana.Karu-Sakaibê, o primeiro homem.in:__________.América Mítica:Estórias fantásticas de povos nativos e Pré-Colombianos.:Besouro Box,2013.Cap. 2.p.90-93


Imagem: https://www.artstation.com/artwork/QXgw3