Gênios - Mitologia Mesopotâmica

07/08/2018

Existem muitos gênios mediadores entre os deuses e os homens que influenciam a vida do povo. Uns são gênios protetores, os lamassu, com cabeça de homem e corpo de leão ou de touro. Os lamastu, em contrapartida, são demônios estéreis que atacam as mulheres grávidas e matam os bebés. Os edimmu, almas dos mortos não sepultados que erram eternamente, perseguem os homens.

Quanto aos gallu, monstros hediondos vindos dos Infernos, providos de corpo de homem e cabeça de leão, introduzem-se no quarto dos jovens casados para neles semearem a discórdia, e propagam as doenças entre os homens e os animais. Os gênios malévolos são frequentemente considerados responsáveis pela doença e pela morte, e o poder deles deve ser dominado por meio de rituais conjuratórios e pela magia. Imagens dos gênios protetores eram expostas nas casas e nos edifícios oficiais ou colocados nas fundações das habitações.

Em certos casos, é difícil distinguir os demônios malévolos dos gênios protetores recrutados para os combaterem. Assim Pazuzu, o demônio do Vento do Sul, é representado em vários amuletos (um dos quais exposto no museu do Louvre) destinados a conjurar a doença. A placa representa Pazuzu a conduzir o demônio Lamashtu de volta aos Infernos, abandonando o corpo do doente de que ela havia tomado posse. Pazuzu é, então, um demônio benévolo, ainda que o seu aspeto seja particularmente aterrador: cabeça de leão, corpo coberto de escamas, asas, garras e um pênis em forma de serpente. Quanto a Lamashtu (talvez antepassada de Lilith, demônio feminino que aparece na Bíblia e no Talmude), é um demônio estéril, que rapta e massacra as crianças, ataca as mulheres grávidas e as mães e bebe o sangue dos homens. É representada nua, com patas de ave de rapina e cabeça de leoa ou de abutre.


Fontes: Templo de Apolo, Mitologia Egípcia Online

Imagem: https://www.deviantart.com/daverapoza/art/Lion-O-197897199