Enki - Deus das águas, conhecimento e magia

15/12/2018

Enki, deus sábio, reina sobre o Apsu e gere as questões terrestres. Inteligente e astuto, é por excelência o civilizador, aquele que resolve os problemas e que ensina os homens a resolvê-los. Deus das águas doces e fertilizadoras, é representado com dois fios de água que se escapam das suas mãos. As suas duas filhas, Inanna e Ereshkigal, reinam uma sobre o Amor (é a Afrodite mesopotâmica, assimilada a Ishtar) e a outra, esposa de Nergal, sobre os Infernos. Segundo o poema intitulado Enki e Ninmah, Enki terá criado o homem, com o auxílio de Ninmah, para libertar os deuses da tarefa cansativa de escavarem canais de irrigação. Os deuses celebram esta ideia com um banquete, e Ninmah, ébria, afirma ser capaz de fabricar esses futuros servidores dos deuses. 

No entanto, a tarefa não corre bem e os primeiros homens criados são muito imperfeitos. Enki, que previra o que iria acontecer, arranja então um papel para cada uma dessas criaturas defeituosas. De um homem que não era capaz de agarrar os objetos com as mãos, faz um servidor do rei, que não pode ser suspeito de roubo. Do segundo, um cego, faz um músico com a missão de divertir o rei. Ao terceiro, incapaz de reter a urina, Enki cura-o, dando-lhe um banho purificador. Uma mulher estéril é colocada ao serviço da rainha, e um homem privado de órgãos sexuais torna-se guardião do harém real.


Sobre Enki

Associado a muitos papéis diferentes em toda a Mesopotamia, Enki é mais conhecido como um deus trapaceiro que criou a vida na Terra. Era originalmente senhor da água, e vivia com sua esposa, a deusa da ferra Ninhursaga, em Dimun. O centro de culto de Enki era Eridu, onde atualmente está o Grande Deserto Salgado ao sul do Irã. O povo de Eridu acreditava que Enki lhe havia dado dádivas como a felicidade, o respeito, a negociação e famílias, e que as outras cidades e seus deuses tentariam roubar esse precioso tesouro. Ele era também o deus da sabedoria e da magia, e dono dos poderes sagrados que controlavam a ordem no mundo, conhecidos como me.

Como terceiro filho de AN, Enki era verdadeiramente muito importante no panteão sumério, sendo por isso (por vezes) chamado de Rei dos Deuses em diversos hinos religiosos. Era especialmente cultuado na cidade de Eridu; Enki tinha por mulher a sua irmã Ninhursag, da qual teve filhos, entre os quais se destacaram Marduk e Nabu (o bíblico Nebo). O nome Enki, de resto, significa mesmo senhor da Terra (En, uma corrupção de An, significa senhor, e Ki significa terra).

Os seus símbolos iconográficos eram o peixe, a cabra e a serpente, os quais foram combinados numa único animal, o mítico Capricórnio (o qual se tornou um dos doze signos do Zodíaco, cuja ideologia teve a sua base na civilização suméria). Quando os Acádios, de origem semita, dominaram a Suméria, adotaram-no sob o nome de Ea. Enki (en.ki / Ea) é descrito como filho de An, um dos deuses principal do panteão sumério. Irmão mais novo de ENLIL e de NINHURSAG, foi o líder responsável por "organizar" o planeta Terra (KI) antes da criação do HOMEM. Enki perdeu o controle da terra na altura do dilúvio, (épico de Gilgamesh) para o seu irmão Enlil, herdeiro legitimo do trono e segundo no poder do universo de AN.

Em conjunto com a sua irmã Ninhursag, participou no momento da criação do homem usando do seu próprio sangue (ADN) na sua concepção. Em alguns excertos subentende-se que foi ENKI quem sussurrou ao ouvido de Utnapishtim (o biblico Noé -Genesis 6) como escapar ao dilúvio. Pode ser que o bíblico Enak se referira a Enki, e este seria um pai dos Gigantes na terra! Um dos símbolos da casa de Enki era a serpente, por este motivo existe quem defenda que este deus seria também a serpente do Éden que levou Eva a comer do "fruto proibido".

Fontes: GARDIN, Nanon. Os deuses da suméria e de Acádia. in: __________, História das Mitologias do mundo Heróis, divindades, narrativas. Lisboa/PT: Texto & Grafia, 2011. Cap. I, p. 21, tempo de apolo