Bona Dea - Deusa das mulheres

01/08/2018

Bona Dea era evocada para promover a saúde, a castidade e a fertilidade. Era popular entre os libertos e entre os escravos que esperavam tornar-se libertos um dia.

O mito

Havia uma deusa romana cujo nome era ignorado, sendo conhecida apenas como Bona Dea, que significa a "Boa deusa". Uns dizem que ela se chamava Fauna e era filha de Fauno, outros asseguram que ela era esposa de Fauno.

Um dia, ela bebeu tanto vinho que Fauno lhe bateu sem piedade com galhos de murta, matando-a por fim. Depois de sua morte, ela foi reverenciada como uma deusa do povo romano, e um templo foi construído em sua honra em Roma. Seus ritos eram celebrados apenas por mulheres nenhum homem era aceito. No tempo de Júlio César, um homem chamado Cláudio participou dos rituais disfarçado de mulher para se encontrar com a esposa de César, Pompéia. Foi descoberto, e houve um enorme escândalo quando se soube que o segredo dos ritos de Bona Dea havia sido revelado.

Diz-se que o herói Hércules bebeu do rio junto ao templo de Bona Dea e que o secou, tendo então prometido construir seu próprio templo, a ser visitado apenas por homens.

Importante deusa romana da terra, Bona Dea, a 'boa deusa' é uma figura misteriosa, que jamais teve seu nome próprio revelado publicamente e era cultuada por mulheres em ritos secretos sem registros.

Há muitas hipóteses quanto à identidade de Bona Dea, e é possível tratar-se de uma das deusas da natureza, conhecidas pelos romanos sob outros nomes. Uma candidata o Maia, deusa a quem era consagrado o mês de maio e associada a Vulcano. Outra é Ops, a deusa sabina da plenitude; esposa de Saturno, Ops presidia as colheitas, o que a aproxima da terra e de sua abundância. A mais provável, porém, é a deusa Fauna, popular entre as mulheres, irmã e esposa de Fauno (deus dos pastores e um antigo e mítico rei do Lácio).

Os devotos de Bona Dea diziam que ela possuía o dom da profecia e consideravam-na casta, tanto que seus ritos eram oficiados pelas virgens Vestais em cerimônias exclusivas a mulheres. Comumente cultuada em um templo, honravam-na ainda com um festival anual. Bona Dea era evocada para promover a saúde, a castidade e a fertilidade. Era popular entre os libertos e entre os escravos que esperavam tornar-se libertos um dia.

Consta que nos ritos de Bona Dea as mulheres ofereciam-lhe flores, vinho (referido como "leite") e um porco. A cerimônia era acompanhada de música, o que, segundo um relato específico, levaria as devotas a um estado de transe.

O Culto

Seu principal templo ficava no monte Aventino, Roma, e apenas mulheres eram admitidas. O principal festival em sua honra ocorria em dezembro. As palavras 'vinho' e 'murta' eram proibidas, pois certa vez Bona Dea embebedara- se e fora açoitada com ramos de murta.

Fontes: Templo de Apolo, Sagrado Feminino