Ayakashi (妖) - Criaturas Sobrenaturais dos Mares

01/12/2018

Ayakashi é um Youkai (demônio, espírito, ou monstro) também escrito como yōkai, uma classe de criaturas sobrenaturais, existindo uma grande variedade no folclore japonês. O termo é ambíguo, pode ser traduzido como "sedutor", "encantador" ou mesmo, "calamidade". Comumente, o termo é interpretado como "encantamento", o que traz a conotação de algo sobre-humano, mágico e misterioso. Eles também podem ser chamados de "ayakashi", "mononoke" ou "mamono". São criaturas mágicas que incluem entre tantos gêneros: a kitsune (raposa), Kodamas (espíritos da floresta), Yuki-onna (mulher da neve) Tsukumogamis (artefatos encantados) e os Onis (ogros/demônios). Entre eles, os Ayakashi são yōkais relacionados à águas que povoam as lendas nipônicas; habitam lagos, rios e mares do Japão.


Ayakashi: Os Yōkai Marinhos

O termo "Ayakashi" foi colocado em quase todas as variações de monstro do mar encontrado na vasta compilação folclórica japonesa. Em seu uso mais básico, ayakashi é um termo geral para yōukai que aparece acima da superfície da água, e pode ser traduzido como "estranho fenômeno do mar", compreendendo o limite entre o oceano e o ar.

Essas criaturas há tempos assombram as águas, em contos geralmente, semelhantes. Em muitos deles, monstros gigantes, sereias sanguinárias e tripulação fantasma em busca de vingança, aterrorizam o imaginário por séculos no Japão: "Durante a noite em viagem em mar aberto, você vai ver luzes a distância. Um navio se aproxima, misteriosamente navega contra o vento. O navio está em chamas, coberto de lanternas de diferentes formas e tamanhos e, de repente alcança sua embarcação. Ou, às vezes ele desaparece, e reaparece ao teu lado. O barco é preenchido com as almas daqueles que se afogaram no mar, e eles desejam te adicionar ao seu número. Se chegarem perto o suficiente, eles vão lançar uma cesta de ferro preenchido com fogo em seu navio, matando todos a bordo" - Densetsu (Travels and Legends; 1923).


Akkorokamui: O Polvo Vermelho


Akkorokamui é uma criatura em forma de polvo gigante que pertence ao folclore ainu (tribo de povos mais antigos de Hokaido) onde, segundo a crença, habita a Baía de Funka ao norte de Hokkaido, no Japão. O corpo é dito como vermelho escarlate, descrito também como a cor do reflexo do Sol sobre a água, podendo atingir mais de 100 m de comprimento. Akkorokamui é reverenciado e temido como uma deidade da água.

A criatura é tão gigantesca e pavorosa que lendas contam que o mar e até mesmo o céu são tingidos de vermelho quando Akkorokamui surge das profundezas do oceano, aterrorizando marinheiros e pescadores. A história foi passada por gerações, e durante muito tempo moradores locais evitaram se aproximarem do mar enquanto o céu estivesse ruborizado. Muitos pescadores carregavam grandes armas em seus barcos para se protegerem da criatura.

A reverência ainu permeou o xintoísmo, que incorporou Akkorokamui como um kami (divindade). Foi muitas vezes apresentado como benevolente com poderes para curar e transmitir conhecimento, mas com um temperamento imprevisível. Foram feitos diversos santuários em dedicação ao Akkorokamui.


Bake-kujira: Baleia Fantasma

Outro terror marinho, o Bake-Kujira diz respeito a um espírito que assume a forma de uma ossada gigante de baleia.

Os japoneses possuem uma longa e polêmica tradição como baleeiros e arpoadores. A maioria das nações modernas diminuiu ou baniu de vez a prática de predação de baleias em virtude do risco de extinção dos animais, mas no Japão, a caça à baleias continua sendo praticada. Apesar do clamor público da própria população, pesca de baleias ainda é uma atividade aceitável.
Talvez em face de toda polêmica, a Bake-Kujra se tornou um espírito popular nas últimas décadas. Segundo o mito, quando uma baleia é morta injustamente ela pode retornar como uma criatura vingativa que existe com o propósito único de afundar barcos e punir aqueles que a mataram. Baleias prenhas, que são abatidas de forma cruel ou cuja pesca é injustificada, são as que mais frequentemente podem retornar.

O Bake-Kujira é uma visão aterrorizante. Uma enorme criatura formada por imensos ossos de baleia colados por cartilagens. Ela é extremamente inteligente e vingativa, abarroando quaisquer embarcações que encontra pela frente e levando marinheiros às profundezas. Aqueles que participaram de sua morte são punidos de maneira ainda mais terrível, os marujos são engolidos e ficam aprisionados no interior do leviatã como mortos vivos pela eternidade.
No Japão, as pessoas consideram ver uma baleia um sinal de boa sorte, mas encontrar um Bake-Kujira é motivo de desespero e pânico. Em vilarejos pesqueiros, os ossos de baleias eram enterrados muito longe, queimados ou pulverizados para que não retornassem como espíritos vingativos. Monges xintoístas abençoavam os restos para que eles não voltassem. O mero rumor da presença dessas entidades avistados em alto-mar já era suficiente para lançar populações em uma onda de desespero e fazer com que pescadores sequer cogitassem sair para trabalhar.


Funa Yūrei: Marinheiros Fantasmas

Funa Yūrei são fantasmas de marinheiros japoneses que morreram no mar viajando através das ondas altas e desapareceram no fundo do oceano.

Esses yureis geralmente aparecem vestindo mantos brancos e podem ser vistos durante a noite, quando a lua é nova ou cheia, noites de tempestade ou nevoeiro, especialmente durante o "Obon". Eles aparecem como uma névoa luminescente, que se aproxima cada vez mais até que possa avistar um navio gigante com uma tripulação fantasma. Os Funa Yūrei vagam em busca de navios na tentativa de encontrar sua antiga tripulação, afundando barcos que cruzam seu caminho adicionando mais almas em sua tripulação de mortos-vivos.


Ikuchi: A serpente de óleo

Ikuchi é outro youkai do mar, pertence a uma classe de demônios ayakashi que vive na fronteira entre o céu e o mar em lendas do Japão. Segundo relatos da província de Hitachi (atual prefeitura de Ibaraki), o ikuchi é um peixe estranho que aparece em mar aberto, com o formato de uma enguia e um corpo com vários quilômetros de comprimento.

O Ikuchi é tão gigantesco que uma embarcação levaria até três dias para navegar por toda sua extensão. A terrível criatura tem ainda o corpo coberto com uma lama negra semelhante a petróleo e lança esse produto nas embarcações que tentam ultrapassar os seus domínios. A partir da sua superfície corporal, um óleo adesivo iria escoar para fora ao atravessar o navio, derramando uma grande quantidade, que se não fosse esvaziado, o afundaria no mar. Encontros com o monstro foram descritos em "Mimibukuro" (Compilação de Contos de Terror), conta que ele foi visto nadando do mar ocidental para o mar do sul (região Kansai e Kyushu). Também, segundo foi contado, foi avistado uma enguia gigante navegando sem olhos ou boca no mar de Hachijo, Zushū (atual Hachijo-jima).

Em "Konjyaku Hyakki Shūi" (1781), bestiário sobre as criaturas folclóricas japonesas, Toriyama Sekien (estudioso e artista de ukiyo-e) retratou uma enorme serpente marinha, tal como ikuchi, um ayakashi do mar. Seus trabalhos tiveram uma influência profunda no subsequente imaginário yōkai do Japão.

Ainda durante o período Heisei, alguns acreditam que as gigantes serpentes do mar são espíritos de seres humanos que se afogaram em busca de outros para se juntar a eles, o mar seria o destino eterno de quem ousasse cruzar o seu caminho.


Namazu: O Peixe Causador De Terremotos

De acordo com o mito popular japonês, a causa dos terremotos é um peixe gigante que vive em tocas subterrâneas, conhecido como Namazu. Muitas vezes descrito como um peixe-gato de grandes proporções, em xilogravuras chamado namazu-e. A criatura é considerada um dos youkais causador de infelicidades e desastres no Japão.

Segundo a lenda, somente o deus Kashima pode imobilizar um namazu e com a ajuda de uma grande rocha conhecida como "kaname-ishi" (Pedra fundamental), ele vai empurrar o peixe contra os fundamentos da terra. No entanto, o deus às vezes se cansa ou é distraído de seu dever, ou como aconteceu certa vez, Kashima saiu da cidade, deixando Ebisu (deus da pesca e comércio) no comando. Namazu vai usar estes momentos de distração para mexer a cauda, provocando um terremoto no mundo humano.


Ningyo: As Sereias do Japão


Sereias são conhecidas como Ningyo em japonês, mas diferente das tradicionais sereias ocidentais, estas se assemelham mais a uma criatura marinha do que um ser humano. Com torso e rosto variando entre humano e peixe, possuem dedos longos, garras afiadas e brilhantes escamas douradas, podendo variar em tamanho, desde o tamanho de uma criança a um adulto. Segundo a lenda, são capazes de emitir um canto agradável como a canção de um pássaro ou uma flauta. Entretanto, ao contrário das sereias das lendas do Atlântico e do Mediterrâneo, uma Ningyo do Pacífico e do Mar do Japão, são criaturas horríveis, sendo consideradas como um pesadelo surreal ao invés de uma mulher sedutora. Acredita-se que a carne de uma ningyo pode conceder a imortalidade e suas lágrimas transformam-se em pérolas e quando consumidas trazem a juventude eterna, sendo, portanto, assunto de muitos contos populares, alguns extremamente assustadores.

Avistamentos de Ningyo estão presentes no Nihon Shoki, um dos livros de registros mais antigos de histórias japonesas, que remonta a 619 dC. De acordo com as antigas crenças, apanhar uma destas criaturas pode trazer tempestades e infortúnio. Uma ningyo levada com as ondas para a praia era um presságio de guerra ou calamidade. Essas sereias são consideradas possuidoras de poderes sobrenaturais e podem amaldiçoar os seres humanos que tentarem ferir ou capturá-las. Algumas lendas falam de cidades inteiras que foram engolidas por terremotos ou maremotos após um pescador levar para casa uma ningyo em uma de suas capturas.

Veja mais em:

Nyngyo - As Sereias do Japão 


Iso Onna: A Mulher Vampira

Iso onna são mulheres vampiras de Kyushu, habitam praias rochosas à procura de pescadores e viajantes para se alimentarem. Sua aparência varia, mas normalmente aparecem como belas mulheres com o corpo todo molhado e cabelos longos e emaranhados, que atingem quase todo o caminho até a areia. Um encontro com a sedutora criatura, pode casualmente provocar a morte.


Isonade: Tubarão Gigante do Mar do Japão


Isonade é um misterioso yokai marinho da mitologia japonesa, com a aparência de um tubarão gigante, move-se silenciosamente pelas águas do oceano, percorrendo as costas rochosas ao oeste de todo Japão. Suas enormes barbatanas são cobertas com inúmeras farpas metálicas. De acordo com a lenda, o Isonade aparece quando os ventos se tornam ferozes e as correntes marítimas mudam.

De acordo com a antiga compilação nipônica sobre yokai, Ehon Hyaku Monogatari, seu corpo nunca teria sido visto por estar sempre escondido sob as ondas, salvo pelas grandes barbatanas cobertas por farpas. (...) "Ele se aproxima furtivamente de barcos e usa sua cauda em forma de gancho para enganar marinheiros e arrastá-los para o mar, onde os devora. Quando ele aparece, impetuosos ventos sopram".


Koromodako: O Polvo Monstro

Koromodako são yokais que aparentam a forma de um polvo que, segundo contam, vivem na fronteira entre Kyoto e Fukui, nas baías de Ine e Wakasa. São semelhantes a polvos comum, as fêmeas são maiores do que os machos e possuem conchas (como argonautas).

Ao serem ameaçados se tornam extremamente perigosos, crescendo instantaneamente, tornam-se grandes o suficiente para engolir o que estiver em seu caminho, seja outros peixes ou até mesmo navios inteiros. Após se alimentar, o koromodako volta ao seu tamanho original, desaparecendo entre as ondas do mar.


Nure Onna: A Mulher Serpente

Nure Onna (濡女 "mulher molhada") é um yokai que se assemelha a uma serpente, porém, possui uma cabeça de mulher em um corpo de uma cobra. Sua aparência varia de história para história, é normalmente descrita com olhos de serpentes, garras afiadas, presas e longos cabelos negros. Sendo comum retratá-la lavando sua enorme cabeleira na margem de rios ou lagos. Em algumas histórias, têm-se ela como uma criatura monstruosa que se alimenta de seres humanos. Em outras, é descrita como uma criatura solitária, desejando apenas lavar seus longos cabelos tranquilamente mas, caso incomodada, suga todo o sangue de sua imprudente vítima.


Suiko: Temível Tigre da Água

Os Suiko são criaturas perigosas que levam suas vítimas ao fundo do mar, após drenarem todo o sangue e devorarem suas almas, retornam o corpo sem vida para a superfície.

No rank de hierarquia de goblins das águas, os Suiko estão acima dos kappa, sendo como chefes destes. O Suiko presta relatório a Ryūjin "Rei Dragão", que vive em um palácio no fundo do mar e reina sobre todas as criaturas marinhas. Conta-se que a razão do sanguinário desejo do Suiko de matar seres humanos é para aumentar o seu prestígio e sua posição junto ao Rei Dragão.


Wani: Dragões do Mar


Wani é um dragão do mar na vasta mitologia japonesa. Considerados governantes dos oceanos e deuses do mar, eles vivem em esplêndidos palácios de coral no fundo do oceano. Os dragões do mar possuem um corpo longo como o de uma serpente, barbatanas, e a capacidade de respirar dentro e fora da água. Um Wani muda de forma, podendo se transformar em humanos, há contos em que as duas raças se apaixonam.

Entre eles, existe uma hierarquia complexa que se espelha no mundo da superfície. Há reis e rainhas, príncipes e princesas, cortesãs, servos, e assim por diante. Ryūjin é o mais poderoso deles, governa o reino marinho a partir de seu majestoso palácio Ryūgū, controlando o fluxo e refluxo dos mares usando as joias da maré, kanju e manju.

Ayakashi são incríveis Yōkai Marinhos que povoam a imaginação, contos e lendas, e enriquecem o vasto folclore nipônico ao longo dos tempos na Terra do Sol Nascente.

Postagem tirada de: https://www.cacadoresdelendas.com.br/japao/ayakashi-criaturas-sobrenaturais-dos-mares-do-japao/