Athena - A Deusa da justiça e sabedoria

07/07/2018

Athena já nasceu guerreira. Mulher de força, indomável, de uma extrema beleza e inteligência - virtude provavelmente herdada de sua mãe, Métis - , além de excelência em combate. Também filha de Zeus, seu nascimento foi um tanto quanto polêmico: muitas tradições afirmam que Athena nasceu da cabeça de seu pai, sem alusão à uma figura materna. Será?

A falta de credibilidade à figura materna dá-se principalmente ao fato de Métis ter concebido Atena enquanto estava dentro de Zeus. Caso você não se recorde, em nosso artigo sobre mulheres fantásticas da mitologia grega, contamos brevemente a história da deusa da sabedoria, quem foi engolida por Zeus após uma profecia sobre uma criança que viria ao mundo e se tornaria ainda mais grandiosa que o próprio deus dos deuses. As tradições mais aceitas contam que Athena surgiu quando Hefesto abriu a cabeça de Zeus com sua marreta. Assim, Métis acabou sendo "colocada em escanteio" quando falamos sobre sua filha.

A trajetória da deusa Athena na mitologia grega

Nascendo ou não da cabeça de Zeus ou da barriga de Métis, Athena foi uma deusa de grande força física e mental - era extremamente inteligente, sábia, bela e poderosa. Ela foi a protetora do Estado, das instituições sociais e de todo o resto responsável por dar força e prosperidade à sua terra natal, como a agricultura, inúmeras invenções e indústrias. A proteção da sua terra também estava sob seus cuidados, como nas fortalezas, na proteção das muralhas e nos portos.

Como protetora da agricultura, Athena representava a invenção do arado e das oliveiras, ensinou aos homens como conduzir o gado e tomou conta da alimentação dos cavalos. Ela também estava intimamente relacionada com atividades ligadas à várias ciências e artes, principalmente com o fornecimento de conhecimento e subsídios para a invenção dos números, do trompete, das charretes e da navegação. Versátil, não?

Basicamente, Athena foi reconhecida por ter inventado praticamente todo tipo de trabalho no qual as mulheres poderiam se empregar, além de ela mesma ser muito habilidosa em cada um deles. Juntamente com Hefesto, ambos foram os grandes patronos das artes de vertentes úteis e elegantes, portanto, Athena foi chamada de Erganê - trabalhadora - e considerada deusa da sabedoria, conhecimento e arte, representada ao lado direito de seu pai Zeus como conselheira absoluta.

Ao fornecer os subsídios necessários para o desenvolvimento do Estado, Athena também se encarregou de protegê-lo, assumindo uma forma divina mais guerreira, apesar de ser completamente distinta de Ares, Éris ou Ênio: pessoalmente, a deusa não era muito fã das guerras. Ela participou mais como peça fundamental em formato de prudência quando via vantagens para seu Estado, geralmente com ótimos resultados.

Ela mantinha os homens longe dos massacres quando fosse demandado, controlava o amor selvagem de Ares pela guerra e protegia todos os heróis que se diferenciavam por sua força, boa conduta e valor, como Hércules, Perseu, Balerofonte, Aquiles, Diomedes e Odisseu.

Durante a guerra de Troia, Athena aliou-se aos gregos mais civilizados, no entanto, puniu suas embarcações com tempestades durante seu retorno para casa, pela maneira com que Locrian Ajax havia tratado Cassandra em seu templo - ele literalmente a arrastou para longe da figura de Athena. A deusa protegia, fazia justiça e geralmente era retratada com sua armadura e seu mastro dourado.

Como dito anteriormente, Athena era indomável. Virgem, a deusa nunca abriu seu coração à amores e paixões, condenando aqueles que forçavam alguma investida. Como exemplo, podemos citar o profeta Tirésias, quem acabou cego por espiar Atena banhando-se, e Hefesto, quem tentou viola-la e foi obrigado a fugir. Por essas razões, Athena sempre é representada vestida e sua estátua, durante passeatas e festivais, também era coberta por completo. No entanto, existe uma brecha nessa história toda: algumas tradições reconhecem Athena como mãe de Herictônio, fruto de uma aventura entre a deusa e Hefesto.

Athena, Hércules e a Gigantomaquia

Ela também possuía grande apreço por Hércules, ajudando-o em diversas situações, principalmente em seus doze trabalhos. Nessa aventura, ela foi responsável por acompanha-lo e auxilia-lo na execução da Hidra, expulsão das Aves do Lago Estínfale, causando barulhos assustadores para os pássaros com objetos de bronze, bem como aconselhou o herói na guerra contra os gigantes.

Durante a Guerra dos Gigantes, especificamente, os deuses foram avisados de que não conseguiriam vence-los sozinhos, portanto, necessitaram da ajuda de um aliado mortal. Aconselhado por Athena, Zeus escolheu Hércules para auxilia-los na batalha, uma ótima escolha. O herói fez jus ao chamado do deus, disparou uma flecha certeira contra o gigante Alcioneu e terminou o serviço sob conselho de Athena para arrastar a criatura para fora de Palene, sua terra natal.

Mais amada que odiada, Athena pode ser definida como "a deusa inteligente". Sem seus valiosos conselhos e sabedoria, certamente o Estado teria caído em calamidades, desarmonia e falência. Se uma mulher mortal já consegue realizar tantos fatos heroicos e admiráveis, imagine uma deusa com tantos poderes!

Fontes: Mitologia Grega.net