Amaterasu (天照) - A Deusa do Sol

06/06/2018

Amaterasu (Amaterasu-ōmikami) também conhecida como Ōhirume-no-muchi-no-kami, "Grande Deusa Augusta que ilumina o céu", é a Deusa do Sol e do universo reverenciada pela religião Shinto. É a divindade japonesa que vela sobre os homens e os enche de benefícios, responsável por iluminar o mundo e assegurar a fertilidade dos campos de arroz. Na mitologia nipônica, Amaterasu nasceu do olho esquerdo de Izanagi. Principal divindade xintoísta, é representada empunhando um disco solar. Amaterasu ou Ama, como é carinhosamente chamada, é membro da realeza divina, a filha da divindade suprema, que acreditam ser o criador do Japão. A deusa, irmã do deus da tempestade "Susanoo", e o deus da lua "Tsuki-yomi", vive em Takamagahara (morada de todos os kami). Juntos, eles estão no comando dos céus.

Como uma deusa do Sol, Amaterasu ilumina o mundo a cada dia e garante o crescimento exuberante dos campos de arroz. Ela é também considerada uma hábil tecelã celestial. Afirma-se que os Imperadores japoneses são seus descendentes diretos. De acordo com os antigos escritos (Kojiki), o neto de Amaterasu, Ninigi-no-Mikoto, teria descido à terra e se tornado o primeiro soberano do Japão. Ainda, segundo as antigas escrituras, teria sido seu tataraneto, Jimmu Tennô, quem se tornou o primeiro Imperador (660 AC até 585 AC.).


Mihashira-no-uzu-no-miko: Os três filhos nobres

Os contos de Amaterasu estão nos dois registros mais antigos da história japonesa, Kojiki e Nihon Shoki. Na mitologia, Amaterasu, a deusa do sol, é a irmã de Susanoo, deus das tempestades e do mar, e de Tsukuyomi "Tsukuyomi-no-mikoto", o deus da Lua e regente da noite. Foi escrito que Amaterasu pintou a paisagem com seus irmãos para criar o Japão antigo. De acordo com o Kojiki, os três irmãos nasceram de Izanagi, quando este foi purificar-se após entrar em Yomi (Mundo dos mortos) e não conseguir salvar Izanami.

A deusa nasceu quando Izanagi lavou o seu olho esquerdo, Tsukuyomi nasceu da lavagem do olho direito e Susanoo da lavagem do nariz, os três são conhecidos como Mihashira-no-uzu-no-miko "Os três filhos nobres". Izanagi, orgulhoso com o nascimento de seus nobres filhos, dividiu seu reino entre os três irmãos. Para Amaterasu entregou uma joia, um colar sagrado chamado Mikuratana no kami, tornando-a deusa do Sol e dos Céus, enquanto para Tsukuyomi ele atribuiu a Lua, tornando-o deus da noite e a Susanoo, ele entregou o comando dos oceanos.

Amaterasu vivia em uma gruta celestial na Planície do Alto Céu (Takamagahara). Sendo uma habilidosa tecelã, fazia as vestimentas divinas com delicadas sedas japonesas em companhia de suas criadas que lhes teciam cotidianamente um quimono da cor do tempo. Todos os dias de manhã, ela saía para iluminar a Terra e garantir o crescimento verde e exuberante dos campos de arroz.


Amaterasu e Tsukuyomi: O Deus da Lua

Separação do Dia e a Noite...

Para cuidar de seus enormes e exuberantes campos de arroz, Amaterasu sempre utilizava sementes fornecidas por Uke-mochi a deusa dos alimentos. Certo dia, pediu para que seu irmão Tsukuyomi, o deus da Lua, verificasse suas plantações e o trabalho de Uke-mochi. Sabendo da visita do deus, Uke-mochi resolveu preparar um imenso banquete: vomitou arroz cozido (felicidade em abundância), peixes e moluscos (sabedoria em abundância) e algas (alegria em abundância). Tsukuyomi não gostou nada do modo "criativo" que Uke-mochi preparou a refeição, e enojado matou a deusa. A morte de Uke-mochi perturbou Amaterasu fazendo-a rotular Tsukuyomi como um deus mau e se dividiram, separando assim, o dia da noite.


Amaterasu e Susanoo: O Deus das Tempestades

Os textos também contam sobre sua longa rivalidade com seu irmão mais novo, Susanoo, conhecido como "O Varão Impetuoso", que aparece em vários contos nipônicos.

Um de seus contos mais conhecidos relata que, Izanagi, cansado de repetidas queixas sobre o comportamento precipitado e impulsivo de seu herdeiro mais novo, Susanoo, causador de tempestades e caos onde quer que fosse, o baniu ao Yomi (Submundo). Mesmo a contragosto, Susanoo concordou com o pai, porém, antes de seu exílio pediu permissão para ir até a "Planície do Alto Céu" despedir-se de sua irmã mais velha, Amaterasu. Esse pedido, aparentemente inofensivo, foi concedido e Susanoo ascendeu ao Céu. Sua partida provocou uma grande agitação no mar e as colinas e montanhas gemeram em sons trovejantes.

Tal alarido chegou aos ouvidos de Amaterasu. Percebendo que se tratava da aproximação de Susanoo, sabia que seu irmão imprevisível não tinha boas intenções em mente, e se preparou para o confronto.

A deusa deu nós em seus longos cabelos e neles pendurou reluzentes joias. Prendeu em seu pulso um bracelete de quinhentas pedras preciosas de Yasaka. Jogou nos ombros a aljava de mil flechas e outra de quinhentas lanças, e cuidou de proteger os braços com finas e suaves almofadas de couro para que abrandassem o impacto das cordas do arco.

A Deusa empunhava duas esplendorosas espadas em ambas as mãos. Seus cabos eram cravejados de pedras preciosas que reluziam contrastando com os raios lampejantes do Sol.

Sua armadura de guerra era tão linda quanto à própria Deusa, uma figura de aspecto temível e ao mesmo tempo cheio de esplendor. Em conjunto, "Deusa e Armadura", fizeram chover o resplendor no Palácio dos Céus em flores de raios solares como a própria Deusa do Sol.

Toda essa elaborada preparação foi desnecessária, Susanoo inacreditavelmente adotou a postura de um penitente... "Meu coração não é tão negro como pensam", disse ele. "Mas, em obediência ao nosso pai, estou prestes a partir para sempre ao Mundo Inferior (Yomi). Como eu poderia suportar partir sem antes ver a minha irmã mais velha? Foi por isso que atravessei nuvens e névoas, e vim para cá, de tão longe. Estou surpreso que minha irmã mais velha tenha adotado essa postura tão severa", concluiu Susanoo em um tom inesperado.

Amaterasu considerou essas observações com muita suspeita. A piedade filial de Susanoo e a sua crueldade não era tão simples de serem reconciliadas. Susanoo então propôs um desafio para provar sua sinceridade: Um desafio foi definido a respeito de quem poderia trazer à luz os filhos divinos mais nobres; cada um dos deuses pegou um objeto do outro e dele fez surgir deuses e deusas. Amaterasu fez três mulheres da espada de Susanoo, enquanto Susanoo fez cinco homens a partir do colar de Amaterasu. A deusa do Sol reivindicou o título para os cinco homens feitos de seus pertences, portanto, as três mulheres foram atribuídos a Susanoo. Ambos os deuses se declararam vitoriosos, o teste provou a pureza do coração e a sinceridade de Susanoo em relação à sua irmã. Mas o seu bom comportamento não durou por muito tempo...

Amaterasu tinha no Céu um grande número de campos de arroz, dos quais muito se orgulhava, juntamente com sua manada de potros malhados. Na primavera, a deusa havia plantado as sementes em seu estimado campo. Susanoo quebrou as divisões entre os lotes e, no outono, soltou em sua plantação uma enorme quantidade dos preciosos potros malhados da irmã, destruindo boa parte dos arrozais.

Ainda descontente, certo dia, quando viu sua irmã no sagrado Salão de Tecelagem, juntamente com suas criadas tecendo as vestimentas dos deuses. Inconformado com tamanha paz e harmonia, não se conteve, fez um buraco no telhado e arremessou um cavalo celestial morto sobre os teares das criadas tecelãs. Assustadas, elas se atropelaram, e uma delas morreu, perfurada por sua própria lançadeira enquanto as outras se feriram gravemente. A deusa do Sol não apreciou a cruel brincadeira, extremamente zangada, decidiu abandonar seu Reino no Céu.

Então, levando consigo suas vestes resplandecentes, desceu o céu azul, e se escondeu dentro da Ama-no-Iwato (caverna de rocha celestial). Para evitar ser incomodada novamente, tapou sua entrada prendendo-a firmemente com uma rocha, permanecendo em total reclusão. Assim fazendo, privou o mundo de sua esplendorosa luz. A alternância entre o dia e a noite passou a não mais existir. A partir de então o mundo conheceu as trevas...

A luz desapareceu, a terra congelou e os campos murcharam. O mundo estava mergulhado na escuridão e se tornou um refúgio para demônios. E o pânico foi semeado até o alto céu, onde viviam os deuses e deusas, que como os humanos, também não enxergavam nada. Os deuses, temendo a eterna escuridão, se reuniram em assembleia às margens do "Rio Celestial". Passaram a discutir sobre a melhor maneira de persuadir Amaterasu a sair de seu refúgio e proporcionar aos Céus mais uma vez a brilhante glória de sua luz resplandecente.

Depois de muito discutirem e de muitas adivinhações, utilizando ossos de cervos postos em cima das labaredas feitas de casca de Sakura (cerejeira). Os deuses fizeram diversas ferramentas como fole e outros aparatos da forja. Com as ferramentas construíram inúmeros instrumentos musicais, soldaram estrelas dos céus e com elas fizeram o magnífico espelho Yata-no-Kagami (Espelho de Oito Lados) e as joias Yasakani-no-Magatama (Joias Curvadas). O deus da inteligência, Omoikane, pediu a todos que comparecessem ao redor da caverna. Depois de tudo pronto, desceram até a entrada da Ama-no-Iwato, a caverna celestial onde Amaterasu encontrava-se. Penduraram as joias e o espelho no cimo dos galhos da "Verdadeira Árvore Sakaki" (árvore de Deus) e fizeram uma festa para chamar a atenção da deusa do Sol.

Podia-se ouvir de todos os lados o canto das Aves Canouras que trouxeram das Regiões Eternas. A Deusa Ame-no-Uzume, deusa da chuva, fez um capuz dos ramos da árvore Sakaki e com uma lança enfeitada de Capim Eulália nas mãos, virou um barril e sobre ele começou a dançar o Kagura, uma dança divina, de maneira provocante. Para complementar sua dança caricata, ela levantou um lado do seu quimono e fez gestos obscenos com caretas engraçadas. Estava tão divertida que os deuses desataram na gargalhada fazendo grande barulho.

Curiosa, Amaterasu não resistiu, quando ela espiou fora de sua longa estadia no escuro, um raio de luz chamado "amanhecer" escapou, e a deusa ficou deslumbrada com o seu próprio reflexo no espelho. Surpresa, ela se adiantou espreitando para além da rocha, o deus Ameno-Tajikarawo, aproveitando-se de sua distração, puxou-a para fora e a caverna celestial foi selada com um "shirukume" (cordão sagrado) para evitar que retornasse a suas entranhas escuras.

Cercada por tamanha alegria, o amargor de Amaterasu desapareceu e ela concordou em retornar a iluminar o mundo com seus raios dourados e resplandecentes. Uzume, foi a partir de então, conhecida como a deusa do amanhecer, assim como da alegria.

Susanoo deu para sua irmã, como presente de reconciliação, a espada mata-dragão Kusanagi-no-Tsurugi que havia encontrado debaixo das escamas da cauda do dragão Yamata no Orochi ao salvar a princesa Kushinada.

Segundo a lenda, Amaterasu legou a seu descendente Ninigi-no-Mikoto: o espelho, Yata-no-Kagami; a joia, Yasakani-no-Magatama e a espada, Kusanagi-no-Tsurugi. O espelho sagrado, a joia, e a espada tornaram-se conhecidos como "Os Três Tesouros Sagrados do Japão".





Fontes : Caçadores de Lendas, Mythology & Culture, História da cultura japonesa; José Yamashiro/ Legends of Japan; F. Hadland Davis.