A Mulher do Velório

18/06/2018

Reza a lenda que uma garota que era uma estudante de Psicologia, estava no final de seu curso e ficou responsável por pesquisar o comportamento das pessoas nos velórios e enterros. Primeiro, ela estudou teorias sobre este comportamento. Mas depois a estudante resolveu partir para a prática, visitando, discretamente, velórios e enterros de estranhos. O primeiro velório foi de um senhor de idade, que tinha sido um professor famoso. Esta cerimônia foi cheia de pompas e discursos. Porém, uma pessoa em especial, chamou a atenção da estudante: era uma idosa de cabelos brancos, vestida de preto, com uma mantilha negra e antiga na cabeça. A primeira vez que a estudante olhou para esta mulher, teve a impressão de que esta velhinha não tinha pernas e estava flutuando. Porém, depois a estudante olhou, novamente , para esta esquisita figura, viu as suas pernas normais e concluiu que aquilo poderia ter sido uma ilusão de ótica. O segundo velório, visitado pela estudante, foi de uma criança de classe baixa, num bairro muito popular. 

Esta estudante estava observando o comportamento das pessoas, quando viu, novamente, a estranha senhora do primeiro velório. Então, a acadêmica resolveu olhar para a mulher com mais cuidado. Porém, a velhinha olhou em sua direção e a estudante teve a impressão de ter visto duas estrelas no lugar dos globos oculares desta mulher. Então, a moça pensou que isto poderia ter sido uma bobagem de sua cabeça. O terceiro velório, que graduanda visitou, foi o velório de um empresário milionário, amigo de sua família. Por ser um velório de gente importante, só entrava quem fosse conhecido. A estudante entrou, mas dentro do local, ela teve uma surpresa: a idosa esquisita estava lá também. Assim a estudante também resolveu ir ao enterro deste homem rico e aquela estranha senhora foi junto. Após o enterro, a estudante decidiu seguir aquela idosa esquisita, que ficou algum tempo andando pelo cemitério, até que parou num túmulo marrom. Então, a estudante notou que a mulher da foto do túmulo era aquela mesma velhinha estranha, e, sem querer, soltou uma exclamação: - Ave! Assim, a idosa olhou para trás e disse: - Ave, minha filha! Desta maneira, a estudante falou: - Como é possível? ! A foto da mulher enterrada neste túmulo é a cara da senhora! Deste jeito, a velha explicou: - Bem , isto faz sentido, porque esta mulher que está aí enterrada, neste túmulo marrom, sou eu ... Então, a estudante disse : - Isto não é possível ... Só pode ser uma brincadeira, ou, uma alucinação minha ... E por que a senhora visita tantos velórios e enterros?! Qual é a explicação de tudo isto? Assim, calmamente, a velhinha falou:

- Eu nasci há algum tempo atrás ... A minha vida foi indolente e sem graça... Fui filha única, não me casei, não tive filhos e não trabalhei ... Eu apenas ficava vegetando em casa ... Sem fazer nada por preguiça ... Quando meus pais morreram, eu vivi tranquilamente, com a pensão que eles deixaram para mim. Mas, quando eu morri, a primeira coisa que eu vi, foi o filme da minha vida inteira: um tremendo vazio ... Em primeiro lugar, um anjo tentou me levar para o céu, mas eles não me aceitaram lá, porque eu não tinha feito nada de útil para a humanidade ... Depois, o mesmo anjo tentou me levar para o inferno, mas o diabo não me aceitou porque eu não era má suficiente ... Após isto, o anjo me levou para o purgatório, mas o guardião de lá, não me aceitou, alegando que eu não tinha feito nenhum pecado para purgar. Então, apareceu o chefe deste anjo, que falou que o melhor a fazer era dar uma missão útil para mim, como colaboradora da morte.

Assim, a estudante indagou: - E o que uma colaboradora da morte, faz?

Desta maneira, a velha respondeu:

- Uma colaboradora da morte tem uma missão parecida com a deste anjo: quando alguém morre, ela coloca o filme da vida, desta pessoa falecida, para ela ver e guia a sua alma até muitos lugares como: o céu, o purgatório e o inferno.

Após escutar tudo isto, a estudante desmaiou. No hospital ela contou a história para os enfermeiros, disse que estava vendo o filme da sua vida diante dos seus olhos e em seguida, faleceu.


Fontes:  Ah, Duvido, Mitos e Lendas