7 Tradições de Natal "Diferentes" Pelo Mundo

23/12/2019

O Natal é para muitos a época mais aguardada do ano. As cidades ficam mais bonitas com os enfeites natalinos e as pessoas também ficam mais bonitas com as boas ações praticadas principalmente em prol dos mais necessitados. Para as crianças então, nem se fala! Elas aguardam ansiosamente a chegada do Bom Velhinho e até se comportam melhor na expectativa de que ele traga um presente bem maneiro.  Porém, em algumas países, existem tradições de Natal que são absolutamente assustadoras. Aqui estão algumas das mais estranhas tradições de Natal da Europa. Krampus não será mencionado aqui pois já existe uma postagem dedicada a ele no site. Caso queira ler. Krampus 


Bruxas à solta - Noruega

Mesmo que o Halloween aconteça pouco tempo antes do Natal, as bruxas não se dão por satisfeitas na Noruega e querem participar da ceia também. Por isso, lá é tradição de Natal esconder as vassouras para que elas não as peguem para voar assombrando a cidade e cometendo atrocidades.


Teia de aranha na Árvore de Natal - Ucrânia

Na Ucrânia, é normal esconder uma aranha dentro da árvore de natal e a cobri-la de teia. O intuito disso é fazer com que as pessoas procurem o animal e quem encontrá-lo terá sorte na vida. A tradição vem de muitos anos. Reza a lenda que uma senhorinha muito pobre com um monte de filhos para criar certa vez enfeitou a árvore da casa dela com uma aranha, já que não tinha dinheiro para comprar adornos. Quando o sol raiou sobre as teias do bicho, os fios viraram ouro e prata e o Natal da senhorinha ficou muito mais feliz e farto. Ela e a família nunca mais passaram fome.


Mari Lwyd - País de Gales

TOC Toc. "Quem está aí?" Um boneco com cara de caveira está desafiando você para uma batalha de rap. Esta é a cena padrão no país de Gales na época do Natal, quando grupos acompanham uma pessoa vestida como o corpo de um cavalo com uma caveira falsa no topo e vão de porta em porta pedindo para entrar através de uma rima. As pessoas dentro de casa devem ter uma melhor resposta de rima para vencer. Após a batalha, a Mari Lwyd (que se traduz em "égua cinzenta") e o grupo são permitidos dentro e recebem comida e bebida antes de seguirem para a próxima porta. Alguns dizem que a presença desse boneco trás sorte as casas visitadas.


O Gato de Yule - Islândia

Espero que você não esteja tentando ir à sua festa de Natal com roupas do ano passado. Se o fizer, prepare-se para ser comido pelo Yule Cat. A tradição islandesa diz que o Yule Cat (também conhecido como Jólakötturinn, se você preferir) comerá qualquer um que não tenha adquirido roupas novas no Natal. Imaginando ser mordiscado por um gatinho adorável por seus crimes de moda? Pense novamente: o Yule Cat é um animal gigante, grande o suficiente para ser visto nas janelas superiores da sua casa (para que ele possa checar suas roupas).


Perchta - Alemanha e Áustria

Nos Estados Unidos, se você é mau, o Papai Noel traz para você um pedaço de carvão. Na Alemanha e na Áustria, porém, as coisas ficam mais punitivas. Se você se comportar mal, Perchta, uma bruxa de duas caras, exibirá seu rosto aterrorizante e abrirá seu estômago, roubando seus órgãos e enchendo sua barriga com pedras e palha. Se você for bom, ela colocará seu belo rosto e deixará uma pequena moeda de prata e seus órgãos intactos.


Natal de Patins - Venezuela

A ida à igreja na manhã de Natal é uma das tradições mais comuns do mundo, mas o que separa o povo venezuelano dos outros é o meio de transporte - patins! As ruas são fechadas e carros não podem circular a partir das oito horas, que é quando milhares de pessoas saem com rodinhas nos pés.

As crianças venezuelanas amarram sininhos em seus patins, assim logo cedo todos já sabem que está na hora de acordar e comemorar o Natal.


Peru - Natal de Porradaria

Natal: tempo de paz, amor, caridade, solidariedade... Certo? Para as pessoas da comunidade Chumbivilcas, perto de Cuzco, Peru, não. O natal é na verdade a oportunidade perfeita para resolver seus problemas à moda antiga (ou seja, na violência).

"Takanakuy", que significa "quando o sangue está fervendo"em quíchua, um dos dialetos mais antigos do Peru, é uma celebração anual que dá às pessoas a chance de resolver diferenças pessoais com membros de sua comunidade.

O festival é uma tradição indígena que tem muito a ver com a honra da família, a reputação e a desconfiança no sistema judiciário. Takanakuy é visto por muitos como a única maneira de acertar as contas antes do Ano Novo.

Todo 25 de dezembro, homens, mulheres e crianças se reúnem na arena local onde se envolvem em lutas implacáveis, supervisionadas por autoridades locais que atuam como árbitros.

Muitos dos combatentes cobrem seus rostos com tradicionais máscaras de esqui coloridas e penduram diversos bichos (de pelúcia) em cima delas, para assustar os adversários. Os homens normalmente trocam socos, mas em lutas femininas o chute é muito popular.

Incrivelmente, lesões são raramente relatadas. Os lutadores não podem bater em seus oponentes enquanto eles estiverem no chão, e correm sério risco de serem castigados caso se esqueçam dessa importante regra. Alguns lutadores deixam a arena com sangue escorrendo da boca e nariz, mas nenhum guarda rancor (talvez porque saibam que tem a chance da revanche no ano seguinte).

Ressentimentos antigos não são a única razão para as pessoas lutarem durante o Takanakuy. Alguns querem apenas provar a sua coragem e habilidades de combate, enquanto outros querem ganhar o respeito da comunidade, ou deixar sua família orgulhosa.

O Takanakuy, para outros povos, pode parecer apenas uma exposição irracional de violência. Para o povo de Chumbivilcas, é uma parte importante do seu patrimônio cultural. Não importa quais problemas eles tenham uns com os outros, os lutadores sempre se abraçam antes de uma briga, trocam alguns golpes, e depois colocam tudo para trás e se tornam bons amigos novamente. É uma maneira simples e eficaz de se livrar de energia negativa. Quem sabe se não fosse assim no mundo inteiro, os números de criminalidade não diminuíram.